Pandemia: 1 a cada 4 crianças e adolescentes apresentam ansiedade e depressão

"Síndrome da gaiola" e uma das questões que preocupam especialistas. Saiba como ela se manifesta

(Foto: Pixabay)

Uma em cada quatro crianças e adolescentes ouvidos em um estudo da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP) apresentou sintomas de ansiedade e depressão durante a pandemia.

E as manifestações, segundo o coordenador da pesquisa, o psiquiatra Guilherme Polanczyk, tinham níveis clínicos, ou seja, já demandavam a intervenção de especialistas.

Os dados foram apresentados à Comissão Externa de Enfrentamento à Covid-19 da Câmara dos Deputados, nesta quinta-feira (17).

A pesquisa monitorou a saúde mental de 7 mil crianças e adolescentes de todo o País, desde junho do ano passado.

Ao falar sobre o estudo, Polanczyk salientou que a pandemia é uma situação de estresse que pode levar ao desenvolvimento ou ao agravamento de transtornos mentais em indivíduos suscetíveis.

E, no Brasil, dos 69 milhões de pessoas com idade entre 0 a 19 anos, há registro de 10,3 milhões de casos de transtornos mentais.

Entre os pacientes adultos, 48,4% deles tiveram o início do transtorno até os 18 anos de idade. “Estamos falando do futuro da nossa nação”, salientou.

Síndrome da gaiola

Para lidar com o problema, o médico defendeu a articulação entre escola, pais e serviços de saúde. Segundo ele, serviços voltados para atender indivíduos dessa faixa etária, hoje, são  escassos.

O debate, aliás, foi convocado na Câmara Federal para tratar, justamente, da chamada “síndrome da gaiola” em crianças que estariam apresentando medo de ir à escola por conta da pandemia.

O nome da síndrome é uma analogia ao comportamento de aves que crescem em cativeiro e, quando têm a oportunidade de voar, continuam na gaiola (Foto: Ednilson Aguiar/O Livre)

Especialista em Psiquiatria Infanto-Juvenil, Gabriela Judith Crenzel defendeu que, embora seja necessário levar crianças e adolescentes de volta às escolas, é preciso “encarar que o principal motivo dessa angústia é real”.

“Nós, Brasil, só vacinamos 11,4% da população com as duas doses e 27,5% com a primeira dose, então, ainda estamos muito longe de pensar na irracionalidade desse medo”, avaliou.

Para ela, muitas dessas crianças enfrentam sentimentos ambivalentes: ansiedade de encontrar amigos e medo de infectar parentes, por exemplo. E essa ambivalência deve ser acolhida, compreendida e contornada conjuntamente pelos profissionais da saúde, da educação e as famílias.

Evasão escolar

Para Crenzel, principalmente nas escolas públicas, será necessário um trabalho pró-ativo: “ir atrás das crianças e adolescentes para eles voltarem para a escola”.

Para a psiquiatra, a partir de agora, a escola terá que ser, cada vez mais, pensada como um lugar, não apenas de transmissão de conteúdo, mas de saúde mental e de pertencimento.

LEIA TAMBÉM

(Com Agência Câmara de Notícias)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorPrefeito comemora resultados da ETA Sul em Cuiabá
Próximo artigoBolsonaro confirma negociações para filiação ao Patriotas