Pandemia na pandemia: venda de remédio para insônia, depressão e estresse aumenta 20% em MT

Maior perigo, segundo o Conselho Regional de Farmácia (CRF-MT), está na chance de intoxicação devido à automedicação

(Foto: Reprodução)

A incerteza sobre o dia de amanhã – o futuro de uma forma geral – passou a ser uma constante na vida das pessoas, desde a chagada da pandemia do novo coronavírus. E a forma como alguns reagem a essa mudança acendeu um alerta vermelho sobre a saúde, não do corpo, mas da mente.

Dados do Sindicato das Farmácias de Mato Grosso (Sincofarma-MT) apontam para um crescimento, entre março e junho, na procura por medicamentos contra insônia, estresse e depressão. O aumento chegou a casa dos 22%.

“Observamos o aumento tendo em vista as situações extenuantes de trabalho, conflitos familiares, perda de emprego”, observa o presidente do Sincofarma, Hamilton Teixeira.

Entre os meses de abril e maio, um levantamento do Google mostrou que a palavra insônia foi a mais procurada em sua plataforma. Em consequência, a procura por substâncias que auxiliam no tratamento cresceu 130%.

Imagem: Freepik

No Brasil, a filial da Aspen Pharma, empresa do ramo farmacêutico, registrou aumento de quase 60% nas vendas de um fitoterápico calmante, em maio, quando comparado ao mesmo mês do ano passado.

A produção, segundo a empresa, chegou a 188 mil unidades do produto que alivia os sintomas da ansiedade e da insônia.

Por outro lado, Segundo o Centro de Valorização da Vida (CVV), não houve aumento no número de chamadas durante a pandemia. A instituição trabalha com a prevenção de casos de suicídio.

Onde mora o perigo?

Segundo o Conselho Regional de Farmácia (CRF-MT), o principal perigo está nas intoxicações que podem ser causadas pela automedicação.

Para se ter uma ideia, o paracetamol – comumente usado – pode causar hepatite tóxica. Já  a dipirona oferece o risco de choque anafilático, uma reação alérgica grave, de acordo com a dose.

Segundo o presidente do CRF-MT, Iberê Ferreira da Silva Júnior, a instituição também notou o aumento na procura por vitaminas, sais minerais e dos remédios receitados pelos  médicos para o tratamento da covid-19, como ivermectina e hidroxicloroquina.

LEIA TAMBÉM

(Foto: Reprodução/O Livre)

No Estado, o conselho tenta coibir a venda indiscriminada dos medicamentos.

“Todo medicamento envolve risco. Isso é fato. Mas o fundamental é não se automedicar, por isso é importante procurar o farmacêutico. Não use medicamentos sem orientações”, ele alerta.

No Brasil, o hábito da automedicação é comum. O uso de medicamento por conta própria foi relatado por 77% dos brasileiros, em pesquisa realizada pelo Conselho Federal de Farmácia (CFF).

Nas regiões Norte e Centro-Oeste, o índice é ainda maior e chega a 80%.

Entre os medicamentos mais utilizados pelos brasileiros nos últimos seis meses estão analgésicos e antitérmicos (50%), antibióticos (42%) e relaxantes musculares (24%).

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorMetade da floresta amazônica queimada em 2020 está dentro de MT
Próximo artigoVaga aberta: senador de MT será escolhido em 15 novembro