Objeto voador não identificado pode ter sido construído por ETs, diz Harvard

Pesquisadores desconfiam que objeto pode ter sido enviado por alienígenas, para observar a Terra

Um estranho objeto voador não identificado, visto com a ajuda de telescópios no ano passado, vem chamando a atenção de cientistas da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos. Segundo dois cientistas do Centro de Astrofísica de Harvard, Abraham Loeb e Shmuel Bialy, o Oumuamua, como foi denominado o objeto, é o primeiro a entrar no sistema solar e a rota dele parece ter sido direcionada.

Os pesquisadores ainda desconfiam que o objeto pode ser na verdade uma espécie de espião, enviado por alienígenas para observar a Terra.

“Pode ser (parte) de uma sonda totalmente operacional enviada intencionalmente para as proximidades da Terra por uma civilização alienígena”, disseram os autores do estudo de Harvard à CNN. Oumuamua significa “a mensagem que alcança o distante passado”, em dialeto havaiano.

O estudo de Abraham e Shmuel ainda levanta a hipótese de que o objeto pode ter sido usado para transportar carga alienígena.

“O objeto vem de fora do Sistema Solar. É como se fosse passar direto pelo Sol, mas o efeito gravitacional faz com que faça uma trajetória em volta do Sol. Conforme se aproxima do Sol, ele dá uma acelerada, enquanto perde massa no sentido oposto. O problema é que, quando está indo embora dessa trajetória, começa a perder massa no mesmo sentido, então você espera que ele desacelere. Em vez disso, acelera. A gente não conhece nenhum mecanismo natural que faça isso. Um mecanismo artificial é a vela”, explicam os autores.

Entretanto, há muitos furos no estudo, admitidos pelos próprios astrônomos. “Já que é tarde demais para visualizar Oumuamua com telescópios existentes ou persegui-lo com foguetes químicos, sua provável origem e propriedades mecânicas só poderiam ser decifradas pela busca de outros objetos de seu tipo no futuro”, conclui o esboço de artigo.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorR$ 35 pelo cafezinho
Próximo artigoCusto de produção no sistema de cria chega a R$ 113,43 por arroba