Plantio da soja termina e Imea prevê safra recorde de 33 mi de toneladas

Segundo o Imea, produtividade média esperada está acima das 56 sacas por hectare

Mato Grosso terminou a semeadura da safra de soja 19/20 na última sexta-feira (13), com aumento de área de 1,14% em relação à safra 18/19, alcançando a marca dos 9,78 milhões de hectares de soja.

Segundo o Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea), apesar do atraso no início do cultivo, a produtividade média esperada está acima das 56 sacas por hectare. Com esse dado, a expectativa é que Mato Grosso bata mais um recorde e consiga colher 33,01 milhões de toneladas, acréscimo de 1,57% em relação ao ciclo anterior.

Leia também:
Com mais de 91% da área semeada, plantio da soja entra na reta final em MT

Negociações adiantadas

Com a expectativa de produção maior, os produtores aproveitaram as oportunidades do mercado para negociar a soja mato-grossense e encerram o ano de 2019, com mais da metade da safra comercializada, registrando um adiantamento de 9,80 p.p. e 7,78 p.p. em relação ao mesmo período da safra anterior e à média dos últimos cinco anos, respectivamente.

Outra notícia que tem animado o sojicultor é a redução no custo variável da produção, registrado em novembro, para a safra 20/21. Diante de uma maior oferta de fertilizantes fosfatados no mercado, o custo da próxima safra recuou em 2,40%, se comparado com o fechamento da safra 19/20.

Segundo o Imea, com a baixa no custo, muitos produtores capitalizados começaram as compras dos insumos de forma adiantada. Já em relação as cotações, o clima na América do Sul pode influenciar nos próximos meses a oferta, enquanto os desfechos da disputa comercial entre os EUA e a China podem influenciar a questão da demanda.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorBMW M3 geração E92: uma raridade que desperta desejos
Próximo artigoSelma: dois meses a mais de salários?