MP orienta municípios de MT a excluir profissionais do plano de vacinação

Órgão diz que grupos prioritários devem ser redefinidos por pessoas com "maior vulnerabilidade" ao contágio

Foto: Ednilson Aguiar/O Livre

O Ministério Público de Mato Grosso recomendou que os municípios modifiquem o plano nacional de vacinação contra a covid-19. A ideia é restringir a imunização às pessoas expostas ao “risco direto” de contágio pelo novo coronavírus.  

A mudança passaria primeiro pela reclassificação dos profissionais da saúde no grupo prioritário que, até o momento, foram quase o único público vacinado no país. 

Em publicação divulgada nesta quarta-feira (24), o MP de Mato Grosso sugere modificar o termo de “profissionais da saúde” para “trabalhadores da saúde”. Dessa forma, seriam excluídos da lista – que veio pronta do Ministério da Saúde – aqueles profissionais que não têm contato direto com pacientes infectados, por exemplo. 

A recomendação foi feita às prefeituras de Cuiabá e Rondonópolis, cuja campanha está suspensa por falta de doses da vacina. O MP sugere ainda que a vacinação tenha nova regulamentação por grupos de “vulnerabilidade extrema”, como idosos e pessoas com comorbidades. 

LEIA TAMBÉM

“A sugestão é para transparência na aplicação das vacinas contra a covid-19, nos quais o usuário possa verificar a entrada e saída do imunizante, com a dose em seu interior antes da aplicação e vazia após sua inserção. Além disso, visando a prevenção de quaisquer desvios de estoques”, diz trecho da publicação do Ministério Público. 

O plano nacional de vacinação é questionado desde seu lançamento, em janeiro. Especialistas em assuntos epidemiológicos afirmam que o programa traçado pelo Ministério da Saúde pouco contribui para a contenção eficiente do contágio, por não atender as pessoas que estão mais expostas à infecção ou as que têm maior risco ficar doente. 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCiclista morre atropelado por caminhão em rodovia de MT
Próximo artigoJustiça nega liminar e mantém compra de R$ 2,2 milhões em celulares pelo MPE