MP denuncia ex-secretário de Saúde e pede devolução de R$ 9,7 milhões

Luiz Antônio Possas de Carvalho é acusado de direcionar uma licitação para favorecer empresa que vendia medicamentos acima do preço

(Foto: Assessoria)

O Ministério Público de Mato Grosso denunciou, por improbidade administrativa, o ex-secretário de Saúde de Cuiabá, Luiz Antônio Possas de Carvalho, e a empresa Norge Pharma Comércio de Medicamentos e Materiais e Soluções em Saúde.

A ação civil pública, assinada pelo promotor de Justiça Célio Fúrio (foto acima), pede a restituição de R$ 9,7 milhões aos cofres públicos por irregularidades no contrato. A suspeita é que houve direcionamento na licitação para favorecer a empresa.

A Norge Pharma ainda é acusada de fornecer produtos com preço acima de mercado.

Com a licitação que resultou no contrato, a Prefeitura de Cuiabá pretendia encontrar uma empresa que fizesse a gestão operacional – com mão de obra especializada – do fluxo de medicamentos e correlatos e também a operação de logística no almoxarifado Central da saúde.

Também previa a montagem de kits cirúrgicos, comprovação eletrônica de gastos em salas de centro cirúrgico e sistema de controle e monitoramento hospitalar de média e alta complexidade, 24 horas por dia e em tempo real, para atender as necessidades da Secretaria Municipal de Saúde.

As investigações apontaram, todavia, que no processo licitatório houve direcionamento, com o intuito de favorecer a Norge Pharma – afirma o MPE.

O contrato com a empresa foi celebrado no dia 24 de janeiro do ano passado, no valor de R$ 19,2 milhões. Tinha vigência de 12 meses e previsão de ser prorrogado por iguais períodos, até o limite de 60 meses.

Mas já em 24 de março do ano passado, o contrato recebeu um aditivo que suprimiu algumas cláusulas e reduziu seu valor para R$ 9,7 milhões.

Denúncia ao TCE

Na ação, Célio Fúrio sustenta que as irregularidades na licitação também foram alvo de duas denúncias no Tribunal de Contas do Estado (TCE-MT). Uma delas foi uma representação interna, proposta pela Secretaria de Controle Externo de Saúde e Meio Ambiente da própria Corte de Contas. A segunda foi uma representação externa, protocolada pela empresa Unihealth Logística Hospitalar Ltda.

De acordo com o MP, a primeira tentativa da Secretaria de Saúde de Cuiabá de lançar o edital da licitação se deu em 29 de junho de 2018, mas várias empresas interessadas em participar do certame impugnaram o edital, alegando irregularidades graves capazes de ocasionar o direcionamento.

A partir daí, o Tribunal de Contas, após analisar as duas denúncias, determinou ao então secretário de Saúde – Luiz Antônio Possas de Carvalho – a suspensão do processo licitatório e retificação de várias cláusulas do edital, o que não foi cumprido.

“Diferentemente do que determinou a Corte de Contas, o requerido Luiz Antônio Possas de Carvalho revogou a licitação modalidade Pregão Eletrônico-SRP nº 039/2018, Processo Administrativo nº 37.890/2018 (Doc. 08), lançando outro em seu lugar, ou seja, o Pregão Presencial falado, de nº 005/2019″, diz trecho da ação.

Porém, as cláusulas que poderiam restringir a competitividade continuavam lá, embora reformuladas. 

A ação civil pública ainda diz que todos os elementos de provas convergem no sentido de que Possas de Carvalho utilizou a influência no cargo para diretamente interferir no resultado da licitação.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCuiabá ameaça fechar casas noturnas após primeira notificação
Próximo artigoRenan Calheiros pede prisão de Sergio Moro