Mercado de automóveis começa a se recuperar dos efeitos da Covid-19

Queda nas taxas de juros dos empréstimos favorecem quem busca financiamento de veículos.

Mercado automobilístico começa a sentir efeitos positivos pós isolamento social – Fonte: Pxhere

O isolamento social necessário ao controle da pandemia de Covid-19 foi extremamente prejudicial à economia em todo o mundo. No caso do Brasil, o Fundo Monetário Internacional (FMI) prevê um tombo de quase 10% no produto interno bruto (PIB) devido ao fenômeno.

Na prática, isso significou que todas as empresas se viram a necessidade de se reinventar para sobreviver à adversidade. Em alguns casos, isso significou a renegociação de contratos de trabalho, incluindo a redução de jornada e salário, ou mesmo a demissão de trabalhadores. Ainda que o auxílio emergencial tenha sido criado, não havia segurança sobre a sua continuidade, e o valor a ser pago foi alvo de intensos embates políticos. Essa incerteza, por sua vez, fez com que as famílias tendessem a reduzir os gastos, tanto os supérfluos quanto os básicos.

No caso dos segmentos econômicos cuja compra dos produtos envolve um compromisso financeiro de longo prazo, como os automóveis, o prejuízo foi ainda maior. Afinal, um pessoa que teme por seu emprego e renda dificilmente buscará financiamento de veículos. Isso trouxe uma queda importante nas vendas do setor, que só agora observa um novo crescimento na procura por seus produtos.

Mercado automotivo começa a se recuperar

À medida que a pandemia arrefece e as atividades econômicas começam a ser retomadas, diversos setores experimentam um aumento nas vendas. É o caso dos automotores: se, durante a pandemia o aumento do delivery levou a uma busca intensa por motocicletas, a gradual recuperação da confiança faz com que os carros voltem a ser atraentes.

Segundo especialistas, esse aumento na procura se dá principalmente devido à demanda que ficou represada durante o ápice da pandemia. Ou seja: à medida que as pessoas ganham confiança no curso da economia e em sua própria segurança financeira, elas passam a buscar produtos de maior valor, como carros. Ainda assim, a procura deve demorar para voltar aos níveis pré-pandemia.

Alta do dólar deve empurrar preços para cima

Ainda que a tendência seja a recuperação do mercado, comerciantes que atuam no setor apontam que os preços subirão uma vez que os estoques pré-pandemia se esgote. O motivo por trás disso é a desvalorização do real frente ao dólar: a instabilidade da economia global, aliada ao difícil contexto doméstico brasileiro, fizeram com que o real perdesse 28% do seu valor frente à moeda americana desde dezembro de 2019. Foi a divisa que mais se enfraqueceu frente à moeda global.

Como o mercado automotivo é muito internacionalizado e boa parte das peças dos carros é comprada em dólar, tudo aquilo adquirido depois do aumento da cotação da moeda será mais caro. Portanto, quem pensa em adquirir um veículo zero quilômetro deve se apressar: especialistas estimam que o aumento de preço já foi de 10%, e deve se intensificar.

Ao mesmo tempo, é preciso ter em mente que, no longo prazo, tanto peças quando os custos de manutenção tendem a aumentar, ainda devido à valorização da moeda americana. Portanto, antes de comprar, é preciso fazer as contas com cuidado.

Usados são boa alternativa

Dada a tendência de alta nos veículos zero quilômetro, o mercado de usados pode ser uma alternativa para quem quer trocar de carro ou mesmo adquirir o primeiro automóvel sem comprometer em demasia o orçamento.

Apesar disso, é preciso ter em mente que quem faz essa opção deve tomar alguns cuidados. Entre eles, está o cuidado com o vendedor, a análise atenta do estado de conservação do veículo – principalmente em busca de sinais de batidas -, a verificação dos custos de manutenção, documentação do veículo e o valor do seguro. Se possível, é importante também fazer um test drive.

Taxa de juros ajuda quem precisa financiar veículo

Uma alternativa para quem pode se comprometer financeiramente é o financiamento do automóvel. Dependendo das condições oferecidas por cada financeira, é possível adquirir o carro dos sonhos pagando uma pequena entrada e parcelas suaves, que cabem no orçamento, especialmente com a atual tendência de queda nas taxas de juros.

Vale destacar que, ainda assim, é fundamental pesquisar e negociar as melhores taxas para garantir um bom negócio. Na atual conjuntura, pessoas que tendem a apresentar uma maior estabilidade financeira, como servidores públicos, aposentados e pensionistas, costumam contar com condições mais favoráveis para a retirada de empréstimos.

Da mesma maneira, é essencial procurar saber sobre a reputação das instituições. Na dúvida, vale a pena conversar com clientes e até mesmo buscar no site do Banco Central, de modo a saber se a instituição opera legalmente e se tem algum histórico de práticas abusivas, como cobranças indevidas.

Além de saber se o valor da entrada e das parcelas cabem no orçamento, há outros custos que devem ser colocados na ponta do lápis. Entre eles, está o valor do seguro, impostos, combustível e até mesmo a desvalorização pela qual o automóvel passa ao longo do tempo.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorGato Louco tem 445 votos
Próximo artigo44% renovada: “figurões” da Câmara de Cuiabá ficam sem mandato