Maioria dos pacientes da covid-19 em Cuiabá relata alguma doença crônica

Pessoas com hipertensão, diabetes e cardiopatias foram as que mais se infectaram com o vírus desde o início da pandemia na Capital

(Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

A evolução do contágio pelo novo coronavírus em Cuiabá indica o que pesquisas mostram desde o início da pandemia no mundo: as pessoas com doenças crônicas são mais suscetíveis a contrair a covid-19. 

A maioria daqueles que receberam resultado positivo para o contágio na Capital, desde a primeira semana epidemiológica, possuía histórico de comorbidade. As mais relatadas são hipertensão, diabetes mellitus e cardiopatia. 

Os dados estão 16º informativo epidemiológico, divulgado nessa terça-feira (21) pela Secretaria de Saúde do município. Até o fim da tarde ontem, haviam sido confirmados 7.313 casos da covid-19 dentre moradores de Cuiabá e apenas 18% deles disseram não possuir alguma doença crônica. 

São 5.992 pessoas (84% do total de pacientes) que têm comorbidade isoladas ou associadas.

Os casos de hipertensão arterial somavam 717; diabetes mellitus, 624; doença cardiovascular crônica, 257; doença renal crônica, 84; pneumopatias, 81; obesidade, 55; e neoplasia, 31. 

Hipertensão arterial está no topo da lista dos pacientes mais afetados pelo novo coronavírus (Foto: Freepik)

Quem vai para UTI? 

A maioria das internações em enfermaria e Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) ocorreu entre as pessoas com comorbidade. Eles representavam 58% das internações. 

Conforme o informativo da Secretaria de Saúde, entre 1º e 18 de julho, 1.520 pessoas residentes em Cuiabá foram internadas com diagnóstico da covid-19. 

Leitos de UTI foram ocupados por 43,7% dos pacientes internados, sendo que 44,6% deles foram direto para unidades insensivas, sendo transferidos para enfermarias somente após alguns dias de tratamento.

De todos os pacientes internados, 33,9% ocuparam leitos de UTI desde o momento de internação até a alta ou do óbito. 

O informativo epidemiológico também traz o perfil das pessoas que necessitaram de serviço hospitalar por causa dos efeitos do contágio. Pouco mais da metade dos indivíduos internados era do sexo masculino (53,1%) e entre as mulheres, 6,5% estavam gestantes. 

A média de idade está em 55 anos. Pouco mais de 62% dos pacientes tinham 50 anos ou mais, tendo os idosos representado 41,5% das internações. Já as crianças/adolescentes somam apenas 1,1%. 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorBem informados ou alheios?
Próximo artigoMédica cubana é encaminhada a delegacia por atuar ilegalmente em Cuiabá