Justiça nega pedido de Arcanjo para extinguir processo por prescrição

Juiz apontou que o prazo para punição contra o ex-bicheiro pelos crimes de lavagem de dinheiro e peculato ainda não se encerrou

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

O juiz Jorge Luiz Tadeu, da 7ª Vara Criminal de Cuiabá, não reconheceu um pedido da defesa do ex-bicheiro João Arcanjo Ribeiro para que fosse determinada a prescrição de uma ação penal oriunda da Operação Arca de Noé. A ação continuará em tramite.

Conforme os autos, o advogado de Arcanjo, Zaid Arbid, pediu que o juízo declarasse prescrita a possibilidade de punição em relação a denúncia do Ministério Público do Estado (MPE), uma vez que, segundo ele, a pena a ser aplicada ao cliente não passaria de 4 anos de prisão para cada crime apurado, somando, então, 8 anos.

Nesta ação, desmembrada de outro processo da Arca de Noé, João Arcanjo Ribeiro é acusado de peculato (desvio de bem público) e lavagem de dinheiro, tendo cometido os crimes, segundo o MPE, pelo menos 22 vezes, além de formação de quadrilha.

No processo, a defesa observou que, da data apontada pelo MPE como sendo do último crime até o recebimento da denúncia, e do prazo do recebimento até os dias atuais, já teriam sido extrapolados dos 8 anos de eventual punição, “impondo-se a extinção da punibilidade, em face da ocorrência da prescrição da pretensão punitiva, com base no art. 107, IV do CP”, diz a ação.

Após o pedido, o magistrado consultou o MPE e, em sua decisão, teve o mesmo entendimento do órgão, de que não ocorreu a prescrição do crime, uma vez que, segundo a denúncia, o último crime teria sido praticado em outubro de 2002 e o recebimento da denúncia aconteceu em agosto de 2010, tendo se passado, então, 7 anos e 10 meses.

Tanto o MPE quanto o juiz também lembraram que o processo chegou a ser suspenso em janeiro de 2013 e apenas voltou a tramitar no dia 22 de novembro de 2018, depois que o próprio Jorge Luiz Tadeu determinou a retomada do caso. A decisão foi tomada depois que a Justiça do Uruguai autorizou a extensão da extradição do ex-bicheiro.

“Isto posto, não vislumbrando no presente momento, a ocorrência da prescrição da pretensão punitiva do Estado e em consonância com o parecer ministerial, dou prosseguimento ao feito”, decidiu o magistrado.

Leia também

Tribunal vê vícios em julgamento e anula condenação de 44 anos de Arcanjo

Ex-pistoleiro de Arcanjo serra grades de cela e parte para cima de agentes 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorApós 20 horas, bombeiros ainda trabalham em incêndio de supermercado
Próximo artigoPF realiza buscas na Sema em operação contra extração ilegal de madeira