Justiça manda Santa Casa de Cuiabá indenizar funcionária por atrasos salariais

2ª Turma do TRT disse que a falta de pagamento entre novembro de 2018 e junho de 2019 expôs técnica de enfermagem a prejuízos

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

A Justiça do Trabalho condenou a Santa Casa de Misericórdia, em Cuiabá, a indenizar uma técnica de enfermagem por dano moral devido a atrasos salariais. A condenação foi proferida nesta terça-feira (17), pela 2ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho (TRT-MT), que analisou um recurso do hospital. A unidade alegava que a mulher não comprovou ter sofrido prejuízos decorrentes dos atrasos.  

A Santa Casa afirmou que o pagamento de salários foi atrasado porque a Prefeitura de Cuiabá não teria feito repasses da prestação de serviços pelo Sistema Único de Saúde (SUS).  

O relator do recurso, desembargador Roberto Benatar, avaliou como “excessiva” e “desproporcional” da Súmula 17 da Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT) a exigência de que o atraso salarial tenha um mínimo de 90 dias para iniciar a contestação. 

“O trabalhador, em regra, não possui reservas para tais contingências, sentindo os efeitos deletérios da privação salarial em intervalos muito mais exíguos”, disse. 

Ele ainda assinalou que o não pagamento de salário pode propiciar dano moral presumido  nos casos em que atrasarem pelo menos duas folhas contínuas, circunstância em que são presumíveis os prejuízos à subsistência do trabalhador e de sua família. 

Conforme a ação, a técnica de enfermagem tem atraso nas folhas salariais de novembro de 2018 a junho de 2019

Quanto ao argumento de que o atraso decorreu da falta de repasse do município, o relator disse que, ainda que essa situação coincidisse com o período de atraso salarial, isso não justifica a ausência de pagamento a servidores.  

Os demais magistrados da 2ª Turma concordaram com o direito da trabalhadora em ser indenizada pelos atrasos e fundamentaram seus votos em dispositivos legais sobre desemparo do trabalhador por falta de salário. 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorForte, mas nem tanto
Próximo artigoNão é o Beto!