Janaina Riva decide votar contra contas de Taques, mas não pede reprovação

 

JL Siqueira/ALMT

Janaina Riva

 

A deputada estadual Janaina Riva (PMDB) desistiu de elaborar um voto em separado pedindo a reprovação das contas de 2015 do governo Pedro Taques (PSDB). No entanto, ainda pretende votar contra a aprovação, e deve pedir aos colegas oposicionistas que façam o mesmo.

 

Segundo a parlamentar, o objetivo é dar destaque às falhas cometidas pela equipe do governo, e mostrar que eles estão fiscalizando. “Vou me encontrar com os outros deputados na posse do Botelho (PSB) como presidente da Assembleia [no dia 1º de fevereiro] e alinhar essa votação”, disse.

 

Ela mudou de planos depois de se reunir com o presidente do Tribunal de Contas do Estado (TCE), o conselheiro Antônio Joaquim, na tarde de quarta-feira (26). O parecer do órgão foi favorável à aprovação das contas, porém apontou 6 irregularidades e fez 13 recomendações.

 

“O conselheiro me explicou que não existem argumentos para pedir a reprovação das contas de 2015. Porém, se essas falhas persistiram em 2016, aí há motivo para reprovar. E há muitos sinais que diversas falhas continuaram. Mas ainda posso me posicionar votando contra, e é isso que vou fazer. E vou pedir para a oposição votar contra”, disse a deputada ao LIVRE.

 

O relatório preliminar elaborado pela equipe de Janaina destaca o estouro do limite de gasto com pessoal (foram gastos 50,2% da receita com folha de pagamento, enquanto o teto é 49%) e R$ 442 milhões em créditos adicionais sem autorização do Poder Legislativo. A parlamentar compara os créditos adicionais decretados pelo governador com aqueles que levaram ao impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT) em 2016, ao lado das pedaladas fiscais.

 

 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorSuspeitas de febre amarela chegam a GO e MS; casos atingem 78 cidades
Próximo artigoCerca de 11 milhões vivem ilegalmente

O LIVRE ADS