Honestômetro: picolé a R$ 2 e você só paga se quiser

Freezer fica acessível a qualquer um, sem vendedores ou seguranças para fiscalizar. O que você faria?

Ednilson Aguiar/ O Livre

Quanto vale sua honestidade? A pergunta não é fácil de ser respondida, mas um teste realizado desde o início do ano pela Associação dos Auditores da Controladoria Geral do Estado de Mato Grosso (Assae) pode medir – pelo menos em tese – se você está sendo realmente honesto ou não.

Nenhuma câmera, vendedor ou segurança e um freezer recheado de picolés. O preço de cada um é R$ 2. Pagar pelo produto, ou não, é uma decisão de quem se interessa pela oferta.

Ao lado do freezer está a urna onde deve ser depositado o dinheiro. E nem mesmo este recipiente está fechado com cadeado. Levar todo o valor já depositado ali ou simplesmente ignorá-lo também fica a critério do “cliente”.

A sede da Controladoria Geral do Estado (CGE), localizada no Centro Político Administrativo, foi o local escolhido para implantação do “Honestômetro”, nome dado pela Assae. Logo, o freezer deve chegar a novos pontos da Capital.

Desde janeiro, quando a iniciativa foi implantada, até hoje a “perda” variou entre 2% no primeiro mês e 8% no último mês calculado.

Segundo este índice, em uma média de 600 picolés adquiridos mensalmente, 48 unidades não estão sendo pagas, o que aponta que mais de 90% dos “clientes” passaram pelo teste. O índice é considerado satisfatório pelo presidente da Assae, André Luiz Costa Ferreira.

“Existe uma ideia de que a população é desonesta, que se colocar assim, disponível, todo mundo vai roubar e levar sem pagar, o que não é verdade. Isso mostra que 92% das pessoas são confiáveis. E não é porque o picolé custa R$ 2, é porque as pessoas têm consciência”, ele avalia.

E o troco?

Não é raro ver notas de R$ 50 ou R$ 20 dentro da urna de pagamento. André explica que, assim como todo o resto – a decisão de pagar ou não e até de levar o dinheiro já arrecadado embora – o troco fica a critério dos “clientes”. Como a urna é aberta, a pessoa pode pegar seu troco à vontade.

O fato é que no fim do mês, o “Honestômetro” deve – ou deveria – render R$ 1,2 mil, o suficiente para pagar pelo produto – adquirido por R$ 1 direto do fabricante – e a energia elétrica consumida pelo freezer.

Presidente da associação responsável pela ação, André Luiz Costa Ferreira – Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre

“Este é um teste de integridade que demonstra um controle que pode ser exercido pela sociedade, ou seja: a sociedade é capaz de controlar as ações dela. É essa a mensagem que queremos passar”, explicou André.

Mas e o público?

Por se tratar de um órgão do governo, a experiência do “Honestômetro” fica restrita a um tipo de público: servidores estaduais. Por isso, a Assae já pensa em levar o teste para outros lugares da cidade.

Na próxima semana, por exemplo, a experiência será compartilhada durante dois dias em um seminário voltado para alunos dos cursos de Economia e Ciências Contábeis da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT).

“Nós vamos levar para um lugar onde não tem apenas servidores públicos, mas também estudantes. Mas eu acho que o resultado do teste independe do tipo de público. Os índices de perda que temos aqui na CGE, possivelmente, serão semelhantes aos demais locais”, defendeu o presidente da Assae.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorAdvogado agride mulher em estacionamento de shopping e ameaça esquartejá-la
Próximo artigoFrases da Semana: Justiça sendo feita, greve na educação e a “saudade” de Blairo Maggi

O LIVRE ADS