Home office: Senado quer regulamentar modalidade, mas há falhas no projeto

Para especialistas em Direito Trabalhista, proposta não trata de aspectos importantes da modalidade

(Foto: Freepik)

Senadores devem votar nos próximos dias o Projeto de Lei 612/2021, que regulamenta o trabalho remoto no Brasil. A modalidade foi impulsionada pela pandemia e continua sem regras dentro da Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT). 

O texto busca reduzir os conflitos jurídicos nesse tipo de relação. Mas especialistas em Direito Trabalhista dizem que o projeto, de autoria do senador Confúcio Moura (MDB-RO), está longe da realidade brasileira. 

Ele prevê que a proteção da intimidade, o direito de imagem, a privacidade e a segurança pessoal e familiar dos empregados, cabendo ao empregador a orientação e o fornecimento dos meios técnicos para tanto. 

LEIA TAMBÉM

Também atribui ao empregador o fornecimento do suporte material, tecnológico, com orientação e capacitação dos empregados para o uso dos instrumentos para o trabalho remoto. 

Essas responsabilidades e outras passarão a ser previstas em um contrato específico para o trabalho remoto. Porém, a advogada Natasha Mendes, membro da Comissão dos Direitos do Trabalho da Ordem dos Advogados do Brasil em Mato Grosso (OAB-MT), diz que o projeto não supera algumas dificuldades para o trabalho fora da empresa.

(Foto: Reprodução/Agência Brasil)

“Existe dificuldade para fiscalizar o trabalho remoto. Não dá para saber se o trabalhador está cumprindo as horas previstas, com o intervalo, se está trabalhando com segurança. São pontos melhores fiscalizados dentro da empresa, e o projeto de lei não fala sobre isso”, disse. 

O entrave está na transferência do modelo de chão de empresa para um ambiente domiciliar ou com alternativas reduzidas para a execução do trabalho. Diferente do teletrabalho, que avalia pela produção com flexibilização da jornada, o trabalho remoto, realizado sem uso tecnológico, mantém a exigência da jornada de trabalho. 

“Esse ponto é um dos diferenciais do trabalho remoto. O que projeto busca é encaixar o trabalho remoto no conjunto de leis trabalhistas como ocorre tradicionalmente dentro das empresas”, frisa a advogada. 

O projeto estabelece ainda que, nos horários de repouso e durante o intervalo entre as jornadas, é assegurado ao empregado o direito de se desconectar dos instrumentos de telefonia, mecânicos ou tecnológicos de trabalho; sendo considerados abusivos ou intimidatórios os contatos e ordens emitidas dentro desses horários, exceto em caso de emergência, devidamente comprovada. 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCaminhoneiro sofre descarga elétrica após cabine tocar em fio de alta tensão
Próximo artigoSupermercado é condenado a pagar indenização para vítima de sequestro relâmpago