“Heraldo morreu e nasceu Afrodite”; caminhoneira trans de MT é destaque da Shell

O Causo da Afrodite é uma das histórias contadas pela série documental da Shell. Veja o vídeo!

As mãos pintadas com esmalte vermelho seguram uma carteira de habilitação com o nome de Heraldo Almeida Araújo. O entrevistador pergunta: nome? Afrodite. Profissão? Caminhoneira.

Pode ser que o espectador ou espectadora fiquem confusos, mas só por breves instantes, já que quando se abre o quadro, aparece uma mulher loira, com vestido estampado, colar de pérolas e maquiagem.

É Afrodite, caminhoneira trans que mora em Cuiabá e tem sua história contada pela série documental da Shell, De Causo em Causo. Pilotando seu caminhão pelas estradas de todo o país, se sobressai dentre tantas outros personagens com histórias de superação. Afrodite é pura inspiração.

A história dela é contada no episódio O Causo da Afrodite. O nome adotado, que remete à deusa do amor da mitologia grega, reforça que o amor próprio traz felicidade.

Milhares de curtidas, centenas de comentários e compartilhamentos fizeram com que o conteúdo viralizasse pela internet.

“Nasci Heraldo, mas nunca me identifiquei como homem. Na verdade, nunca entendi o que acontecia comigo”, explica a caminhoneira trans.

Pessoas trans não se identificam com o gênero de nascimento e isso gera angústia e sofrimento, especialmente, porque em boa parte das vezes, não sabem traduzir esses sentimentos e/ou eles são ignorados.

No vídeo, ela conta que ao longo dos anos já trabalhou como eletricista, empresária… “Até que descobri o caminhão. Mas quando trabalhava em uma malharia em São Paulo, eu mesma fazia minhas calcinhas, bustiê”, conta a caminhoneira de 70 anos.

“Há três anos, Heraldo morreu. E nasceu Afrodite. E nunca mais ela colocou uma roupa masculina. Não sou um caminhoneiro que virou caminhoneira. Sou uma caminhoneira que estava presa no corpo de um homem. E venci muitos preconceitos e hoje, sou feliz”.

Prepare o lencinho e confira o material produzido pela Shell:

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorEm palestra na capital, Cortella aponta caminhos “para que cada um cultive a própria sorte”
Próximo artigoGreve de ônibus em Cuiabá: atraso de salário acontece há 18 meses