Governador admite mudar projeto que altera incentivos e aumenta impostos

Governo ainda tenta convencer deputados da base sobre necessidade do aumento de tributos e de regulamentação dos incentivos

Ednilson Aguiar/O Livre

O Governador Mauro Mendes (DEM) afirmou nesta quinta-feira (04) que pode alterar o projeto de lei complementar 53/2019 caso os setores da indústria, agro, energia e comércio, apresentem números do impacto dessas mudanças. 

“Se nos mostrarem que essas alterações podem gerar resultados negativos e prejudicar a economia de mato Grosso, certamente, seremos os primeiros a dar um passo para trás”, disse o governador. 

Ele calcula que a mudança na tributação deve gerar R$ 500 milhões aos cofres do Estado. No entanto, o comandante do Palácio Paiaguás foi enfático ao dizer que a proposta para o comércio não deve ser alterada. 

Segundo o governador, somente o Estado concede incentivo ao comércio e que as alterações propostas levam em conta o lucro líquido praticado em cada produto. Ainda segundo o governador, 90% das empresas do comércio de Mato Grosso estão no Simples Nacional e elas não terão a tributação alterada pela mensagem que tramita na Assembleia Legislativa. 

Segundo o governador há pontos de segurança jurídica que foram apontados por advogados e foram bem avaliados pela equipe do governo. O governador citou como exemplo de que o PLC vai melhorar a situação das farmácias locais, já que elas sofreram com o impacto da chegada das grandes redes nacionais.

LEIA TAMBÉM: 

Governo de MT quer aumentar imposto sobre energia, etanol, carne e TV por assinatura

Ampa classifica como “ato inconsequente” redução no Proalmat proposta pelo governo

Projeto que estabelece mudança na cobrança de ICMS deve ser revisto

Críticos da renúncia fiscal, deputados dizem que projeto não ataca “gigantes”

Readequação dos incentivos: tributação sobre o agro cresceria R$ 340 milhões

Botelho anula sessão e projeto que aumenta impostos volta à estaca zero

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorLíderes religiosos pedem a vereadores que revoguem decreto do prefeito
Próximo artigoBens valiosos apreendidos na Lava Jato não têm interessados em leilão

O LIVRE ADS