Golpes virtuais: Fraudes pela internet aumentam 372% na pandemia em MT

No Estado, todas as fraudes e golpes aplicados pela internet tiveram aumento, entre 2019 e 2020

Com mais pessoas conectadas à internet, o número de crimes cibernéticos também aumentou. Em Mato Grosso, os casos de fraudes aplicadas online tiveram alta de 372% no primeiro ano da pandemia. Os dados são da Secretaria Estadual de Segurança Pública (Sesp-MT).

Os golpes virtuais já existiam, mas pode-se dizer que os criminosos atualizaram as suas táticas de atuação.

Em 2019, por exemplo, entre as diversas fraudes aplicadas pela internet a Polícia Civil registrou 325 boletins de ocorrência. No ano passado, o número subiu para 1.535 casos.

De acordo com a Sesp, todas as modalidades de crimes cibernéticos cresceram no mesmo intervalo: estelionato (137%), extorsão (196%), falsidade ideológica (67%) e fraudes no comércio (164%).

E como os golpes costumam ser atualizados, um dos temas do momento é a vacina contra a covid-19. Tem gente usando, por exemplo, o nome do Ministério da Saúde e das secretarias de Saúde para aplicar golpes pelo WhatsApp.

Um perfil falso do secretário de Saúde do Maranhão, Carlos Lula, que é também presidente do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) foi usado por um dos golspitas.

“O golpista dizia: ‘sobraram algumas doses do lote das vacinas. Você não quer adquirir para o seu município? E pedia um valor para que fizesse a entrega. Obviamente absurdo. As doses de vacina são públicas, são gratuitas”, afirma o secretário.

Caindo nos golpes

A nível mundial, o Brasil é o quarto país mais afetado por ciberataques, de acordo com a a empresa Kaspersky, especializada em segurança para a internet. Para se ter uma ideia, mais de 5 milhões de brasileiros foram vítimas de crimes de clonagem de WhatsApp em 2020, segundo levantamento da PSafe, empresa de segurança digital.

A jornalista Michelle Souza, de Brasília, foi uma das vítimas desse tipo de golpe. Ela conta que estava trabalhando e conversando com alguns contatos pelo WhatsApp quando recebeu uma ligação.

Na ocasião, a voz do outro lado lhe fez um convite para um evento. Michelle seguiu as instruções que eram passadas pelo telefone: clicou em um link, que gerou um código por SMS e informou o código à pessoa.

No mesmo momento o WhatsApp parou de funcionar e a pessoa teve acesso aos contatos da jornalista. A partir dai, o golpista pediu dinheiro em nome de Michelle. Um amigo dela não imaginou que poderia ser um golpe e transferiu cerca de R$ 6 mil.

Soluções

O presidente da SaferNet Brasil, Thiago Tavares, explica que todas as redes sociais, as plataformas de e-mail e os mensageiros instantâneos, como WhatsApp e Telegram, contam com um recurso que permite ativar um segundo fator de autenticação para comprovar que você é você mesmo.

“Isso resolveria 95% das tentativas de golpes que ocorrem hoje, por exemplo, em redes sociais e aplicativos de mensagens. Mas pouca gente ainda utiliza o segundo fator de autenticação. Quanto mais gente utilizar, maiores serão as dificuldades de esses criminosos terem êxito nas suas ações”.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCuiabá recebe 22.515 novas doses de vacina
Próximo artigoStartup aposta no aluguel de motos para trabalhadores do delivery em Cuiabá