Ex-secretário e mais seis investigados por fraudes na Saúde voltam à prisão

O TJ revogou as medidas cautelares decretadas anteriormente e determinou que eles voltassem para a prisão pelos desvios de recursos da saúde pública

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

Seis alvos da Operação Sangria, que investiga um esquema para monopolizar a saúde em Mato Grosso por meio da prestação de serviços médicos hospitalares, foram presos novamente pela Polícia Judiciária Civil neste sábado (30), entre eles, o ex-secretário municipal de saúde Huark Douglas Correia, que havia deixado a prisão no final de dezembro.

Além do ex-secretário, Fábio Liberali, Adriano Luiz Sousa, Kedna Iracema Fonteneli Servo, Luciano Correa Ribeiro e Fábio Alex Taques Figueiredo foram presos. A investigada Celita Liberali, por sua vez, não foi encontrada e ficou de se apresentar ainda neste sábado.

Os acusados voltaram à prisão devido à uma determinação do desembargador do Tribunal de Justiça Alberto Ferreira de Souza, que, nessa sexta-feira (29), revogou as medidas cautelares decretadas anteriores e determinou novamente a prisão preventiva dos envolvidos nas fraudes de desvios de recursos da saúde pública.

A investigação da operação Sangria apura fraudes em licitação, organização criminosa e corrupção ativa e passiva, referente a condutas criminosas praticadas por médicos/administrador de empresa, funcionários públicos e outros, tendo como objeto lesão ao erário público, vinculados a Secretaria de Estado de Saúde e a Secretaria Municipal de Saúde, através de contratos celebrados com as empresas usadas pela organização, em especial, a Proclin e a Qualycare.

Segundo a apuração conduzida pelo delegado Lindomar Aparecido Tofoli, da Delegacia Especializada em Crimes Fazendários e Contra a Administração Pública (Defaz), a organização mantinha influência dentro da administração pública, no sentido de desclassificar concorrentes, para que ao final apenas empresas pertencente a eles (Proclin/Qualycare) pudessem atuar livremente no mercado.

Os presos estão na Defaz e serão apresentados em audiência de custódia neste sábado.

(Com assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorConselho de arquitetura tem recorde de denúncias em 2018
Próximo artigoQuer ajudar o Hcan-MT? Arrecadação de lixo eletrônico segue até o dia 6 de abril