Escola X Trabalho: pesquisa comprova que abandono escolar começa na adolescência

Depois das séries fundamentais, 88% dos alunos precisa conciliar as aulas com atividades remuneradas

(Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

O número de trabalhadores em Mato Grosso em idade escolar que chegam ao ensino superior não ultrapassa 30% e a tendência é que a frequência da vida escolar despenque com o envelhecimento. 

Uma avaliação das atividades de trabalho e o ensino que compõem a Síntese de Indicadores Sociais, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mostra que a vida escolar dos trabalhadores é mais frequência nos anos das séries fundamentais.  

Até 2018, ano de referência da pesquisa, apenas 29% dos trabalhadores tiveram uma frequência nas escolas das creches ao ensino superiorO gráfico do histórico dos entrevistados forma uma montanha-russa. 

Conforme o IBGE, 30% tiveram vida escolar até à creche, entre 0 e 3 anos de idade; 92,5% estudaram em séries entre 4 e 5 anos de idade. O pico de formação começa entre os 6 e 7 anos de idade, faixa etária em que 99,8% dos trabalhadores dizem ter frequentado, e segue até aos 14 anos. 

A pesquisa aponta que 99,6% dos trabalhadores cursam as séries correspondentes a essa faixa-etária. Daqui para frente, começa a se formar a trajeto de queda da monta-russa. 

O grupo de jovens, entre 15 e 17 anos, que trabalham e estudam ao mesmo tempo ficou em 88% para as pessoas na faixa-etária na data da coleta de dados. O grupo encolhe para 30,5% entre as idades de 18 e 24 anos e alcança apenas 5,8% das pessoas com idade igual ou superior a 25 anos. 

No ano passado, dos 783 mil jovens com idade entre 15 e 29 anos, 21,8% só estudavam, 19,3 estudavam e estavam ocupados (sem profissão formal), 41,4% só estavam ocupados, 17,5% não estudavam e não estavam ocupados.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorPIB de Mato Grosso é o terceiro no país em crescimento, diz IBGE
Próximo artigoSaiba o que pode e o que não pode no dia de votação