“Eliminamos a burocracia ou seremos eternamente o gigante adormecido”, diz presidente da Famato

Normando Corral participou do primeiro encontro do LIDE-MT, realizado nessa quarta-feira (19), em Cuiabá (MT)

(Foto: Suellen Pessetto/ O Livre)

O presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Mato Grosso (Famato), Normando Corral, participou do primeiro encontro do LIDE-MT, realizado nessa semana, em Cuiabá (MT).

Líder de uns dos principais setores econômicos do Estado, o pecuarista falou sobre os problemas que o setor enfrenta ao perder um prazo, por exemplo, em razão da morosidade causada pela burocracia em diversos seguimentos, em especial, na gestão pública.

Ele lembrou que a agropecuária depende desses prazos, mas que estes são determinados pelas estações do anos. “Quando perdemos um preço ou um prazo por causa da burocracia, já temos o prejuízo de um ano perdido”, explica.

Corral destacou que o Brasil tem muito a crescer e dispõe de recursos naturais, mas é preciso destravar alguns procedimentos para que o país deslanche.

“Nós não vamos chegar a lugar nenhum, vamos padecer embora a gente tenha muito o que crescer. Ou a gente elimina rapidamente a burocracia existente no Brasil ou nós seremos  eternamente o gigante adormecido”, disse.

Para ele, um modelo interessante de gestão que o Brasil poderia adotar é o modelo americano em que a Constituição do país é uma só, com poucos artigos e emendas. “No Brasil estamos na sétima Constituição, só a última com 105 emendas. Não dá”, disse.

O homem que pensou o Brasil

Para encerrar seu posicionamento, ao lado do Governador Mauro Mendes, e demais presidentes das federações, Corral utilizou como exemplo uma frase famosa de um célebre mato-grossense: Roberto Campos.

O ex-ministro e ex-senador ficou conhecido pelas ideias liberais e por décadas lutar contra a burocracia no Brasil. Segundo ele, “a capacidade do Estado de fazer o bem tem limite, mas de fazer o mal é infinita”, disse Corral ao citar Campos.

Hoje na presidência do Branco Central do Brasil está o neto do mato-grossense, Roberto Campos Neto. Na última terça-feira (18), o herdeiro participou do almoço na Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), momento em que utilizou para defender a autonomia da autarquia.

A questão deverá entrar em votação após o Carnaval e deve contar com o apoio dos ruralistas. Conforme Neto, a autonomia do Banco tende a reduzir a instabilidade econômica e manter juros baixos. “Países com instituição autônoma têm 50% mais chances de manter inflação baixa”, disse o neto do mato-grossense.

LEIA TAMBÉM:

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorSérie que traz nazismo nos Estados Unidos ganha trailer; Confira
Próximo artigoCachorro do filme com Harrison Ford “invade” estúdios da ESPN

O LIVRE ADS