Eleições 2020: você sabe a diferença entre votos brancos e nulos?

Antigamente, eles eram coisas diferentes. Hoje, são basicamente o mesmo. E aquele mito de cancelamento da eleição, é só um mito

(Foto: José Cruz/Agência Brasil)

Todo ano de eleição, a “polêmica” volta à tona: votos brancos e nulos podem cancelar uma eleição? Apesar do mito, mesmo se mais da metade dos eleitores votar dessa forma, isso não é possível.

No sistema eleitoral brasileiro, apesar do comparecimento às urnas ser obrigatório, o eleitor é livre para escolher ou não um candidato. Isso porque, é possível votar nulo ou branco. Sabe qual a diferença entre essas opções e a real função de cada uma?

De acordo com o Glossário Eleitoral do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o voto em branco é aquele em que o eleitor não manifesta preferência por nenhum dos candidatos. Para votar em branco é necessário que o eleitor pressione a tecla “branco” na urna e, em seguida, a tecla “confirma”.

Antigamente, o voto branco era considerado válido e contabilizado para o candidato vencedor. Por isso, era tido como um “voto de conformismo”, como se o eleitor dissesse: “tanto faz”. Mas isso mudou.

Nessa época, o voto nulo era usado pelos eleitores que queriam manifestar a vontade de não escolher nenhuma das opções. Hoje, para anular o voto, é preciso digitar um número de candidato inexistente, como por exemplo “00” e depois a tecla “confirma”.

Voto válido

Atualmente, na prática, a única diferença entre voto branco e nulo, além da questão estatística, é a forma como ele é registrado na urna pelo eleitor. Os dois não são computados como voto válido.

Para ser considerado válido, o voto precisa ser nominal: direcionado a algum candidato ou partido. É que o eleitor pode não votar em um candidato em si, mas no partido, digitando só o número dele, por exemplo, no lugar de digitar todos os cinco números necessários para escolher um vereador especificamente.

Aliás, o voto de legenda só é permitido para cargos que possuem mais de uma vaga, como deputado federal, deputado estadual e vereador.

Então, ainda que mais de 50% dos eleitores votem nulo ou branco a eleição não será cancelada/anulada. Neste caso a única consequência é a redução no número de votos válidos.

Nas últimas eleições municipais, em Cuiabá, pouco mais de 14 mil eleitores votaram em branco e 31.103 anularam o voto no primeiro turno. No segundo, brancos representaram 4,15% e nulos 11,77% dos votos.

Para 2020, a previsão da pesquisa do Ibope é que brancos e nulo somem 7% dos votos.

“Quando a lei diz que o voto é obrigatório, significa que o eleitor deve comparecer à seção eleitoral ou justificar a ausência. Embora seja obrigado a votar, ele não é obrigado a escolher algum candidato. Ele pode votar branco ou nulo. No entanto, sempre ressaltamos que o ideal é que o eleitor participe de forma efetiva do processo democrático, ou seja, que vote nominal, que escolha aqueles que irão representá-lo seja no Executivo ou no Legislativo”, ressalta o presidente do TRE-MT, desembargador Gilberto Giraldelli.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorMendes sanciona lei que mantém verba adicional a servidores da Saúde
Próximo artigoComo você lida com o isolamento? Fiocruz quer saber impacto da pandemia nos brasileiros