Duas mil pessoas em busca de ouro | Imagens mostram expansão de garimpo em Aripuanã

Imagens foram gravadas pelos agentes da PF que estão no local

A Polícia Federal (PF) forneceu imagens do garimpo em Aripuanã, onde está em andamento uma operação de combate à extração ilegal de minérios. Ainda não há informação sobre prisões ou materiais apreendidos, porque o local não tem comunicação via celular ou internet.

Conforme o assessor de Assuntos Estratégicos da Prefeitura de Aripuanã, Bartolomeu Casteliano, ninguém sabe como começou o garimpo, mas certamente as mídias sociais e as fake news estimularam o avanço.

Ele conta que a notícia se espalhou e logo foram para os grupos de WhatsApp, Facebook e Instagram. Em muitos casos, eram imagens de outros lugares apresentadas como se fossem de Aripuanã.

“Em alguns meses, mais de 2 mil pessoas invadiram a cidade em busca de enriquecer com o ouro. Grande parte pais de família que queriam uma oportunidade”.

A situação criou um problema social na cidade e, tanto o poder público, como a sociedade civil, organizaram-se para pagar passagem para as pessoas que foram para o município, mas não conseguiram achar nada.

“Eles pediam para voltar para casa e muitos tinham viajado mais de 3 mil quilômetros para chegar ao garimpo”.

Outro problema criado pela corrido pelo ouro foi a sobrecarga dos serviços de saúde e segurança.

Área privada

Bartolomeu afirma ainda que a área é particular e a invasão foi de uma região de serra, localizada a menos de 25 km da cidade.

“É um garimpo praticamente dentro da cidade”.

Imagens aéreas cedidas pela Polícia Federal que está em operação no local (PF/Divulgação)

Operação

Hoje pela manhã, 160 agentes da Polícia Federal, Polícia Civil, Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Renováveis (Ibama) e da Secretaria de Meio Ambiente foram ao local.

Ações estão previstas para acontecer ao longo da semana.

Esta é a segunda fase da operação, sendo que a primeira fase foi realizada há 11 dias nas cidades de Juína, Aripuanã, Alta Floresta e Paranaíta. Elas foram motivadas pela apreensão de uma aeronave, carregada com 6,51 kg de ouro, que aconteceu em junho deste ano.

O produto não tinha origem legal e pode ser fruto da extração ilegal na região, que se iniciou em novembro do ano passado.

Como você se sentiu com este conteúdo?

loading spinner

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorO xeque-mate aponta uma das direções
Próximo artigoDamásio Educacional promove evento preparatório para o XXX Exame de Ordem