Documento sobre Eucaristia aprovado por bispos dos EUA não menciona negação de Comunhão a políticos pró-aborto

Intitulado como "O Mistério da Eucaristia na Vida de Igreja", o documento foi aprovado, de forma secreta e eletrônica

Eucaristia (Foto: ChurchPOP)

A Conferência de Bispos Católicos dos Estados Unidos (USCCB, sigla em inglês) votou a favor do tão discutido documento sobre a Eucaristia na vida da Igreja. De acordo com a LifeSite News, a aprovação aconteceu no último dia 17 de novembro, em Baltimore, durante a reunião de outono.

Intitulado como “O Mistério da Eucaristia na Vida de Igreja”, o documento foi aprovado, de forma secreta e eletrônica, por 222 votos, contando, também, com 8 contra e 3 abstenções.

Muitos católicos do mundo inteiro aguardavam uma posição da USCCB sobre negar a Comunhão a políticos e figuras públicas pró-aborto, mas isso não foi declarado explicitamente na redação. Os fieis também esperavam uma resolução acerca daqueles que negam publicamente outros pontos da Doutrina Católica e se dizem parte da Igreja.

Um grande exemplo seria o de Joe Biden, presidente dos Estados Unidos. O americano se diz católico, porém, defende o aborto e promove políticas nesse sentido e noutros contrários à fé da Igreja.

Por que negar a Eucaristia a essas pessoas?

Conforme os Evangelhos, a Eucaristia é um Sacramento instituído pelo próprio Jesus Cristo na Quinta-Feira Santa, há quase dois mil anos. Naquele momento, Ele transubstanciou o pão e o vinho em Seu próprio Corpo e Sangue. Ou seja, enxerga-se pão e vinho, mas ali, na verdade, estão realmente presentes o Corpo, o Sangue, a Alma e a Divindade de Jesus Cristo.

Sendo assim, a Comunhão não é algo banal ou simplesmente simbólico. Recebê-la em estado de pecado grave é um sacrilégio, uma ofensa sem tamanho a Deus. Como diz São Paulo em sua Primeira Carta aos Coríntios: “Portanto, todo aquele que comer o pão ou beber o cálice do Senhor indignamente será culpável do corpo e do sangue do Senhor.”

E o Santo continua: “Que cada um se examine a si mesmo e, assim, coma desse pão e beba desse cálice. Aquele que o come e o bebe sem distinguir o corpo do Senhor, come e bebe a sua própria condenação.”

Para comungar corretamente é necessário que o fiel, de maneira sincera, se arrependa de seus e se confesse a um sacerdote católico, com o objetivo de deixar para trás sua vida de pecado. Isso incluiria não defender mais o aborto ou partidos de esquerda, por exemplo.

Outro ponto positivo de se negar a Eucaristia às figuras públicas transgressoras seria a de evitar escândalos – significando, aqui, o ato de levar outros a pecar. Uma pessoa sem boa Catequese pode pensar que é normal defender o aborto e comungar do Corpo e do Sangue de Cristo, por exemplo. Isso prejudicaria a vida espiritual tanto de quem dá o exemplo quanto de quem o recebe.

Sobre o documento

A ACI Digital informa que “O Mistério da Eucaristia na Vida de Igreja” visa ensinar sobre a presença real de Jesus Cristo na Hóstia e no Vinho Consagrados. A evangelização por meio da Sagrada Eucaristia também é um alvo dos Bispos dos Estados Unidos.

O documento está dividido em duas seções:

– “O Dom”, no qual se mostra a Eucaristia como um dom de Cristo por meio de sua encarnação, morte e ressurreição; e

– “Nossa Resposta”, no qual se fala da gratidão pelo dom da Eucaristia, o papel que os leigos desempenham ao receber esse Sacramento e a importância da Comunhão na conversão dos corações.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anterior“Agora é quase impossível fraudar”, diz Bolsonaro sobre mudanças na urna eletrônica
Próximo artigoTurma de Câmaras Criminais deve julgar no dia 16 recurso de Emanuel Pinheiro