Desembargador nega pedido da Assembleia para votar liberdade de Savi

Legislativo tenta soltar o deputado por meio de uma votação dos próprios parlamentares

Desembargador Juvenal Pereira da Silva

O desembargador Juvenal Pereira da Silva, do Tribunal de Justiça de Mato Grosso, negou um pedido da Assembleia Legislativa de Mato Grosso para autorizar que a Casa votasse – e libertasse – o deputado estadual Mauro Savi (DEM). O parlamentar foi preso na 2ª fase da Operação Bereré, chamada de Bônus.

Mauro Savi é investigado por ser, de acordo com o Ministério Público Estadual (MPE), um dos líderes em um esquema que teria desviado cerca de R$ 30 milhões do Departamento Estadual de Trânsito de Mato Grosso (Detran-MT). Savi foi preso no dia 07 de maio por decisão do desembargador José Zuquim Nogueira.

O pedido feito pela Procuradoria Geral da Assembleia era para que o legislativo pudesser exercer “sua prerrogativa constitucional de deliberar sobre a prisão do Deputado Mauro Savi”.

O Supremo Tribunal Federal (STF) julga uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) que tem por objetivo retirar a imunidade parlamentar dos deputados estaduais. O julgamento foi suspenso em dezembro do ano passado pela falta dos ministros Roberto Barroso e Ricardo Lewandowski – a votação está em 6 votos a 5. Se um dos dois der voto favorável à ação movida pela Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB), os deputados estaduais perdem a imunidade.

A Assembleia argumentava que o “julgamento suspenso não possui qualquer efeito jurídico, especialmente o de afastar a validade de norma constitucional, sob pena de subversão do sistema jurídico em seus pressupostos intrínsecos”.

O legislativo ainda argumentava que, com a decisão do desembargador José Zuquim Nogueira, houve uma “ofensa à prerrogativa da Assembleia de deliberar sobre a prisão preventiva decretada no dia 07/5/2018”. Na decisão que decretou a prisão do deputado, o desembargador determinou que a Assembleia observasse “a vedação de expedir resolução ou quaisquer atos que importem em revogação da prisão preventiva decretada contra o deputado Mauro Luiz Savi”.

“No caso, nem a parte atingida, o Deputado Mauro Luiz Savi, nem a própria Assembleia Legislativa de Mato Grosso, cuidou de demonstrar a irresignação frente à decisão atacada, carecendo, assim, de verossimilhança da alegação o pedido de inflição da tutela suspensiva no writ”, escreveu o desembargador Juvenal Pereira ao negar o pedido da Assembleia.

“Embora a discussão ainda esteja em curso, a maioria formada no Plenário do STF entendeu que a prisão preventiva envolve um juízo técnico-jurídico que não pode ser substituído pelo juízo político emitido pelo Poder Legislativo”, disse Juvenal.

Em outubro do ano passado, a Assembleia votou e libertou o deputado estadual Gilmar Fabris (PSD). Ele havia sido preso por suposta obstrução de Justiça durante a deflagração da Operação Malebolge, na qual é investigado.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorBotelho marca votação das contas de Taques para a próxima semana
Próximo artigoNasser anuncia que museus voltarão a funcionar em até 60 dias