Deputados federais aprovam novas regras para licenciamento ambiental

Projeto de lei relatado pelo deputado Neri Geller (PP) cria processo unificado e dispensa alguns empreendimentos da obrigação de alvará

Foto: Ednilson Aguiar/O Livre

A Câmara dos Deputados aprovou nessa quarta-feira (12) o texto-base do projeto de lei que estabelece regras gerais para o licenciamento ambiental a serem seguidas por todos os órgãos licenciadores. 

O texto recebeu 300 votos a favor e 122 contra. O substitutivo do deputado Neri Geller (PP-MT) dispensa da obrigação de licença obras de saneamento básico, manutenção em estradas e portos e de distribuição de energia elétrica com baixa tensão. 

O projeto cria ainda licença única para simplificar o procedimento e permite a junção de licenças prévias como a de instalação, por exemplo. 

Leia mais:
Mendes diz que flexibilidade ambiental é “derrota da burocracia burra”

“O Estado que tiver legislação mais rígida não vai mudá-la. É uma questão de bom senso. O projeto dá segurança jurídica para evitar questionamentos pela falta de uma norma geral”, disse Geller. 

No caso do saneamento, a dispensa engloba desde a captação de água até as ligações prediais e as instalações operacionais de coleta, transporte e tratamento de esgoto. Eles ficarão dispensados inclusive do Estudo de Impacto Ambiental (EIA). 

Agropecuária 

A proposta de nova lei também dispensa de licenciamento ambiental algumas atividades agropecuárias, se a propriedade estiver regular no Cadastro Ambiental Rural (CAR), ou em processo de regularização, ou se tenha firmado termo de compromisso para recompor vegetação suprimida ilegalmente. 

Serão beneficiados o cultivo de espécies de interesse agrícola, temporárias, semiperenes e perenes; a pecuária extensiva e semi-intensiva; a pecuária intensiva de pequeno porte; e pesquisa de natureza agropecuária que não implique risco biológico. 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorFogo no Pantanal: produtores e Sema tentam acelerar medidas preventivas
Próximo artigoSTF nega pedido para liberar R$ 792 milhões de Arcanjo