Deputado de MT quer que TCU investigue atraso na apuração dos votos

José Medeiros pediu que o Tribunal averigue o contrato de R$ 26 milhões firmado - sem licitação - entre o TSE e a empresa Oracle Brasil Sistemas

(Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil)

Deputado federal por Mato Grosso, José Medeiros (Podemos) solicitou ao Tribunal de Contas da União (TCU) a abertura de uma investigação sobre o atraso na apuração dos votos na eleição deste domingo (15).

O objeto da investigação seria o contrato firmado entre o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e a empresa Oracle Brasil Sistemas. Segundo o parlamentar, a contratação ocorreu sem licitação e previa que a Oracle fornecesse o “supercomputador” que fez a contagem dos votos.

O sistema – utilizado pela primeira vez na eleição deste ano – deu problema e a a divulgação do resultado das eleições acabou atrasando em todo o país.

“A primeira notícia que se teve foi a de que o sistema do TSE havia sido hackeado, posteriormente, houve problemas no acesso ao e-título e, por fim, atraso na contabilização e divulgação dos resultados das eleições”, lembrou Medeiros.

LEIA TAMBÉM

“Diante de todos esses fatos, podemos afirmar uma coisa: o Brasil enfrentou problemas durante as eleições municipais e não se sabe ainda qual o risco que isso representou e pode vir a representar para a democracia brasileira e para credibilidade dos eleitores em nosso sistema eleitoral”, completou.

Além de uma investigação para saber a causa do problema, Medeiros pediu que o TCU apure os motivos de o contrato com a Oracle ter sido firmado sem licitação e se o documento contém alguma cláusula que trate de eventuais falhas na prestação do serviço.

De acordo com que foi publicado no Diário Oficial da União, a empresa Oracle foi contratada na modalidade de dispensa de licitação pelo valor de total de R$ 26,2 milhões.

(Com Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorVirgínia “vai de Abílio”
Próximo artigoLuz ultravioleta para acabar com a covid? Vereador quer no comércio, empresários não