Luz ultravioleta para acabar com a covid? Vereador quer no comércio, empresários não

Fecomércio já encaminhou nota técnica à Câmara de Cuiabá se posicionando contra. Mas será que essa luz funciona mesmo?

(Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Em trâmite na Câmara de Vereadores de Cuiabá, um projeto de lei quer obrigar estabelecimentos comerciais, shopping centers, agências bancárias e órgãos públicos a instalarem lâmpadas ultravioletas capazes de desinfetar ambientes. O objetivo seria conter o avanço do novo coronavírus.

A proposta é do vereador Misael Galvão (PTB) e, atualmente, está sendo analisada pela Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJR). E não só por ela. A Fecomércio-MT já viu a proposta e se manifestou contra. 

Em uma nota técnica encaminhada aos vereadores, a Federação afirma que o projeto é inconstitucional.

“Este projeto viola o princípio da separação dos poderes, além de afrontar princípios constitucionais da proteção do direito de propriedade, da livre iniciativa e da intervenção do Estado na economia”, diz o superintendente da Fecomércio-MT, Igor Cunha, que assina o documento.

A nota aponta a indevida interferência do governo sobre a propriedade privada, ou seja, do Poder Público tentando impor como o proprietário deve agir dentro de seu estabelecimento. O argumento é de violação do princípio do direito de propriedade e sua garantia individual.

Mas que lâmpada é essa?

De acordo com um artigo publicado no site da Universidade Federal de Sergipe (UFS), lâmpadas capazes de esterilizar ambientes realmente existem. Elas são usadas, geralmente, em hospitais e para o tratamento de água. Mas alguns critérios têm que ser considerados.

O primeiro ponto levantado pela UFS é que só um tipo específico de luz UV – a UV do tipo C – tem esse potencial. E muitos equipamentos que não a emitem são vendidos como tal.

Outra questão é quanto a potência dessa lâmpada, a distância do objeto a ser desinfectado e o tempo de exposição necessário a isso. Quanto mais potente e perto, menos tempo.

Mais perigosa que benéfica

A principal ressalva que a Universidade faz no artigo, no entanto, é quantos aos perigos de exposição à luz UVC. Ela mata germes e até vírus porque quando é absorvida pelo DNA deles, os impede de se reproduzir.

E “do mesmo jeito que a luz UVC danifica o DNA dos germes, também pode causar danos aos seres humanos e animais. Dependendo da sua intensidade, pode induzir uma reação grave nos olhos e na pele, como queimaduras solares, em apenas alguns segundos de exposição, podendo gerar catarata e câncer“, diz o artigo publicado pela UFS.

Além disso, os autores do texto afirmam que só as superfícies diretamente iluminadas são esterilizadas. “Se os raios UV não atingirem toda a superfície, as partes sombreadas poderão não receber luz UV suficiente para a desinfecção”. Portanto, “pode ser muito mais danosa para o usuário a falsa sensação de segurança, por achar que a superfície foi desinfetada, porém a mesma ainda contenha germes”.

O que diz a Câmara de Cuiabá?

Secretário de Gestão Administrativa da Câmara de Cuiabá, Paulo Nascimento recebeu recebeu a nota. “A entrega desse material nos faz enxergar algo que pode vir a passar despercebido e até ser melhorado. Este projeto está em análise na CCJR e se constatado a inconstitucionalidade, será remetida ao arquivo”, ele afirmou.

(Com Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorDeputado de MT quer que TCU investigue atraso na apuração dos votos
Próximo artigo50 anos separam o prefeito eleito mais novo do mais velho em MT