Cuiabá e Várzea Grande dizem que não terão problema com 2ª dose da CoronaVac

Prefeituras afirmam que quantidade para a segunda aplicação está garantida, mas admitem que a campanha deverá ser freada por falta de remessas

Foto: Ednilson Aguiar/O Livre

As prefeituras de Cuiabá e Várzea Grande dizem que a provável falta da CoronaVac nas próximas semanas não deve atrasar a segunda dose de quem já foi imunizado nessas duas cidades, mas vai frear o impulso para acelerar a campanha. 

A Secretaria de Saúde Várzea Grande diz que, na semana passada, realizou três corujões, com postos abertos à noite, para avançar na eficácia de aplicação. Mais de quatro mil doses foram aplicadas. 

Para esta semana, há planejamento de continuar o trabalho por mais horas, mas ele deve ser suspenso para as primeiras doses na semana seguinte por falta de vacinas. 

“Não vamos ter problema para aplicar a segunda dose, mas a primeira realmente não vamos ter. Isso depois de todo o esforço na semana passada para estender o trabalho para o período noturno”, afirmou o secretário de Comunicação, Marcos Lemos. 

Em Cuiabá, a Secretaria de Saúde afirma que há segunda dose garantida, até o momento, para o público na faixa etária de 69 a 65 anos idade. Esta semana iniciou a vacinação para o público de 64 a 60 anos. 

Segundo a prefeitura, o Ministério da Saúde autorizou que as remessas de doses fossem usada inteiramente para a primeira imunização. Poucos dias depois as segundas doses foram enviadas, evitando o comprometimento da conclusão da imunização.  

A partir de então, todas as remessas recebidas voltaram a ser entregues com dose 1 e dose 2. “Em Cuiabá, quem toma a primeira dose, não há a menor possibilidade de sua vacina estar escondida. Ela estará armazenada porque é patrimônio do cidadão que tomou”, disse o prefeito. 

A Capital iniciou a ampliação da rede vacinação para acelerar a aplicação de doses. Hoje, cinco postos estão ativos. Até o fim da tarde de ontem, 82.730 pessoas foram vacinadas na Capital com a primeira dose e 27.729, com a segunda. 

Sem estoque 

Ministro da Saúde, Marcelo Queiroga disse em audiência no Senado, na segunda-feira (26), que não serão distribuídas novas remessas da CoronaVac para Estados e municípios esta semana. A previsão é que voltem a ser fornecidas daqui 10 dias. 

Queiroga disse que o Brasil enfrenta dificuldade de fornecimentos e admitiu que há risco de atraso de segunda para a CoronaVac, que deve ser aplicada de 15 a 28 dias após a primeira. 

O estoque que o Ministério da Saúde tinha foi liberado há um mês e hoje passa por atraso por demora na liberação do Ingrediente Farmacêutico Ativo (IFA) para a produção. 

LEIA TAMBÉM

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCovid-19: risco de contaminação em universidades é maior que em escolas, aponta estudo
Próximo artigoArena Pantanal é reformada para receber jogos do Brasileirão