Covid-19: risco de contaminação em universidades é maior que em escolas, aponta estudo

Pesquisa americana leva em conta o fato de que, quanto mais velho um indivíduo, mais exposto ao vírus ele está

(Foto de Katerina Holmes no Pexels)

O Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) nos Estados Unidos divulgou, este ano, uma pesquisa sobre a contaminação por covid-19 em ambientes escolares. A constatação é que há maior risco em universidades do que em escolas de nível básico.

O CDC destaca que evidências encontradas em diversos estudos sugerem que crianças e adolescentes podem ser menos comumente infectados pelo novo coronavírus do que adultos.

Segundo a pesquisa, crianças menores de 10 anos de idade também podem ter menos probabilidade de serem infectadas do que adolescentes. “Essa possibilidade é apoiada por estudos de rastreamento de contato. A suscetibilidade à infecção pelo vírus e a proporção entre aqueles infectados que apresentam sintomas geralmente aumentam com a idade”, diz trecho do estudo.

Para o especialista em Educação e Tecnologia, Alfredo Freitas, as revelações do estudo mostram que o risco de contaminação será maior nas universidades. Para ele, é nessa área do ensino, portanto, que deve haver mais investimentos em ferramentas de educação à distância, pelo menos, enquanto a cobertura vacinal no Brasil não for ampla.

LEIA TAMBÉM

“O ensino via internet é uma realidade irreversível no Brasil e no mundo e já recebe um novo impulso devido à pandemia. Precisamos estar todos atentos a este fenômeno e buscar, principalmente no Brasil, investimentos em tecnologia educacional, conectando as escolas, e principalmente as universidades. Não haverá solução imediata para a retomada do ensino que não passe pela digitalização dos processos metodológicos”, afirma Alfredo Freitas.

Vacinação não estimula retorno às escolas

Freitas destaca que, nos EUA, onde a vacinação contra a covid-19 já está avançada – são mais de 200 milhões de americanos vacinados -, essa proteção vacinal não estimulou a retomada do ensino presencial nas universidades.

Um levantamento da Unesco revela que a média mundial de escolas fechadas devido à pandemia é de 22 semanas. Nos EUA, a média foi de 38 semanas. Na Europa, de 10 e, no Brasil, o número foi registrado em 40 semanas de escolas fechadas.

“Não é possível imaginar que somente a vacinação vá encorajar todos imediatamente a retomar suas rotinas. Nos EUA e em outros países que já estão com cobertura vacinal mais avançada, percebemos que a retomada do ensino presencial ainda é tímida. No Brasil, não será diferente. É preciso que os países busquem alternativas”, Freitas defende.

(Da Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorEm Mato Grosso, 19 municípios estão com risco muito alto de contaminação pela covid-19
Próximo artigoCuiabá e Várzea Grande dizem que não terão problema com 2ª dose da CoronaVac