Consumidor: Energisa está no topo do ranking de reclamações

Concessionárias de serviço público estão sempre nas primeiras posições no quesito denúncia no Procon de Cuiabá

(Foto: Ednilson Aguiar/O Livre)

O Órgão Municipal de Proteção e Defesa dos Direitos do Consumidor – Procon Cuiabá aponta a concessionária Energisa entre as empresas com maior número de registro de reclamações no primeiro semestre de 2021.

De janeiro a maio de 2021 foram recebidas 368 denúncias. No mesmo período em 2020, foram 365.

A maior parte dos processos tem como principal problema a cobrança indevida e/ou abusiva nas contas mensais de energia. Por dois anos consecutivos, o levantamento aponta, que a empresa está entre as mais reclamadas.

O consumidor que observar aumento desproporcional nas cobranças, que não apontem nenhuma justificativa para alteração dos valores, deve procurar a unidade para contestação das respectivas faturas.

“O consumidor deve ter em mãos, a conta a ser contestada e se possível as faturas anteriores que possam comprovar a desproporcionalidade do aumento exorbitante, para então abrir a reclamação”, explicou o secretário-adjunto de Proteção e Defesa do Consumidor, Genilto Nogueira.

Além da Energisa, outras empresas apontam indícios de irregularidades nas cobranças e na prestação de serviços. Dentre elas estão a Águas Cuiabá e a Claro S/A, Brasil Telecom.

Além disso, pontuou Genilto, a orientação é que os consumidores entrem primeiro em contato com as empresas para tentar solucionar o problema. Se após essa tentativa, não obter o resultado esperado, daí então, a recomendação é procurar o Procon para abertura dos procedimentos necessários.

O secretário reforça os canais de atendimento digitais. O atendimento ao público está sendo feito pelos seguintes meios, mediante agendamento prévio: wattsapp (65) 3641-6400 ou via e-mail, pelo endereço eletrônico- [email protected]

O que diz a Energisa?

A Energisa informou por meio de nota que as reclamações correspondem a menos de 0,1% dos clientes.

Leia nota na íntegra:

“A Energisa esclarece que tem mais de 276 mil clientes só em Cuiabá. Neste sentido, entende que o método usado para fazer o ranking de reclamações precisa levar em consideração o tamanho que cada empresa tem para não gerar distorções. Por exemplo, de acordo com os dados do próprio Procon Municipal, o número de reclamações contra a companhia é inferior a 0,15% do total de clientes da Energisa na capital. Além disso, nem todas elas são verificadas como procedentes pelo órgão.

A satisfação do cliente é um valor para a empresa. Por isso, a Energisa trabalha duro na implantação de programas de atendimento, que pode ser feito hoje nas agências e por telefone, internet, aplicativo de celular é até mesmo pelo WhatsApp, a Gisa, que oferece uma séria de serviços no (65)9999-7974. Já são feitos em média nove mil atendimentos por canais. A companhia investe forte em Cuiabá. Só na capital foram aplicados R$ 124,6 milhões em obras pra melhorar a rede de distribuição. E essa atuação tem sido reconhecida. Levantamento da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), mostrou que Mato Grosso tem o quinto melhor serviço de distribuição de energia do Brasil.
Reclamações por variação de consumo.

Atualmente a maior parte das reclamações gerais é feita por conta da variação de consumo, que foi impactada a partir de maio deste ano, pela implantação da bandeira vermelha patamar um e dois nas contas, A bandeira vermelha foi determinada pela Aneel, em virtude da crise de geração de energia pelo qual o país passa, causada pela falta de chuva. Para apoiar as famílias, a Energisa antecipou ações pra ressaltar a importância do consumo consciente de energia, além de criar campanhas e mutirões para pagamento parcelado de dívidas”.

(Com Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorO triste retorno ao presencial: MT ainda tem escolas sem banheiro
Próximo artigoApós 15 anos, pagamento em 15 dias