CNA apresenta proposta para BC aumentar investimentos no agro

Entidade apresentou propostas para aumentar investimentos e melhorar ambiente de negócios

Presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), João Martins (direita) e o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto (esquerda) - Foto: CNA Brasil

O presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), João Martins, reuniu-se na quarta (24), em Brasília, com o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, para apresentar as propostas da entidade para estimular o financiamento privado no agro e a melhoria do ambiente de negócios no setor.

“Precisamos estar na vanguarda, sempre olhando para o futuro”, disse Martins durante o encontro na sede da Confederação.

A pauta relacionada ao funding tem como foco as seguintes frentes de atuação: busca por recursos externos; promoção do desenvolvimento de novos produtos nos bancos privados para o setor; intensificação da atuação do cooperativismo em novos mercados e no apoio financeiro aos seus associados; e estímulo aos investimentos dos fundos de previdência complementar na agropecuária.

Foto: Wenderson Araujo/Trilux

Os pontos foram detalhados pelo superintendente técnico da CNA, Bruno Lucchi. Ele também falou sobre algumas demandas para melhoria do ambiente de negócios, como a emissão de Cédula de Produto Rural Financeira (CPR-F) com cláusula de correção  pela variação cambial, o ajuste da regulamentação prudencial (gerenciamento de riscos) sobre a carteira de crédito agropecuário e o repasse de recursos dos fundos constitucionais do Norte e do Nordeste para as cooperativas de crédito.

Lucchi explicou que as propostas visam diversificar as fontes de financiamento do agro com recursos privados, tanto de investidores nacionais quanto internacionais.

“Em torno de 30% do financiamento da agropecuária provém das cooperativas, das tradings, revendas de insumos e indústria química. As propostas da CNA visam melhorar o ambiente de negócios para essas fontes”, ressaltou o superintendente, que listou, ainda, alguns entraves que dificultam a contratação do crédito rural.

Por sua vez, o presidente do Banco Central destacou que o agro salvou o país de “um grande desastre”, pois o setor cresceu em momentos de crise de outros setores da economia e que as agendas da instituição e da CNA para o setor rural são parecidas. Campos Neto estava acompanhado pelo diretor de Regulação do órgão, Otávio Ribeiro Damaso, e pelo chefe do Departamento de Regulação, Supervisão e Controle das Operações de Crédito Rural e Proagro, Claudio Filgueiras.

Foto: Wenderson Araujo/Trilux

Participaram do encontro os presidentes das Federações de Agricultura e Pecuária da Bahia, Humberto Miranda, do Maranhão, Raimundo Coelho, de Mato Grosso do Sul, Maurício Saito, de Minas Gerais, Roberto Simões, e da Paraíba, Mário Borba, além do diretor-geral do Senar, Daniel Carrara, e o presidente do Instituto CNA, Roberto Brant.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

O LIVRE ADS