CCJ do Senado aprova posse de arma na zona rural

A matéria segue direto para análise do Plenário

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

A Comissão de Constituição e Justiça do Senado aprovou, nesta quarta-feira (26), o relatório do PL 3715/2019, sobre posse de arma em propriedades rurais, do senador Marcos Rogério (DEM-RO). O projeto passa a considerar, para fins de posse de arma de fogo, que a residência ou domicílio compreende toda a extensão do imóvel rural. A matéria segue direto para análise do Plenário.

“Não tem sentido autorizar a posse ao morador da zona rural e não permitir que ele exerça seu direito de defesa fora da sede da fazenda. A proposta corrige esse equívoco”, afirmou o autor do projeto, alegando que o morador do campo não tem a mesma proteção dos que moram em área urbana.

O texto teve o aval do relator na CCJ, senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE). “Por estar mais vulnerável, o morador do campo precisa de meios para se defender dos inúmeros riscos a que está exposto, como roubo de animais, máquinas e safra, não só na sede de sua propriedade”.

Tramitação na Câmara

Aguardando análise conclusiva da Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania da Câmara, o PL 6717/16, do deputado Afonso Hamm (PP-RS), também disciplina o porte rural de arma de fogo no País.

De acordo com o projeto, a licença para o porte rural de arma de fogo terá duração de dez anos e será concedida mediante apresentação de documento de identificação, comprovante de residência em área rural e nada consta criminal. O proprietário deverá também comprovar, à autoridade responsável pela emissão da licença, habilidade no manejo de arma da categoria que pretende usar.

(Com assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

1 COMENTÁRIO

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorUFMT e Sesc Arsenal promovem debate sobre ‘fake news’ e ‘pós-verdade’
Próximo artigoAmam: alterações em projeto contra a corrupção prejudicam juízes e promotores

O LIVRE ADS