Carvalho assegura que debate sobre demissão de servidores nunca existiu

Assunto veio à tona durante apresentação dos dados do 1º quadrimestre das contas do governo

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

O secretário-chefe da Casa Civil, Mauro Carvalho, assegurou que a discussão sobre a possibilidade de o governo do Estado demitir servidores efetivos nunca chegou à mesa do governador Mauro Mendes (DEM). O assunto veio à tona na última semana, durante apresentação dos dados do primeiro quadrimestre das contas do Executivo na Assembleia Legislativa de Mato Grosso.

Na oportunidade, o secretário de Estado de Fazenda, Rogério Gallo, declarou que o governo poderia demitir servidores que ainda estão em estágio probatório para se adequar ao limites estabelecido na Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) para o gasto com pessoal. Conforme Gallo, Mato Grosso já teria ultrapassado esse limite em R$ 1 bilhão. A afirmação do secretário foi feita um dia após servidores da educação aprovarem a deflagração de greve geral.

Carvalho ressaltou, no entanto, que embora exista essa previsão na LRF, em nenhum momento essa possibilidade esteve na pauta do Executivo. “Dentro da LRF isso é permitido, mas não significa que vai ser colocado em prática. Isso não existe. Em nenhum momento a discussão sobre qualquer demissão de servidores efetivos esteve na mesa do governador”, pontuou em visita ao LIVRE nesta terça-feira (28).

O secretário-chefe assegurou ainda que não existe “excesso” de servidores públicos no governo de Mato Grosso e disse que se “surpreendeu positivamente” ao ser empossado no cargo. “Os servidores públicos como um todo são pessoas do bem, comprometidas e engajadas com o desenvolvimento do Estado. Têm pessoas que trabalham no serviço público que eu gostaria muito que trabalhassem na minha empresa”.

Segundo ele, o governo tem consciência de que o sucesso da gestão Mauro Mendes depende do servidor público. “Precisamos ter eles do nosso lado. Não existem lados opostos nessa relação, governo e servidores são um lado só e é dessa forma que vamos governar os quatro anos”.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorRealidades do sistema educacional brasileiro (Parte II)
Próximo artigoPrefeitura atingiu limite prudencial da LRF em relação a gasto com pessoal

O LIVRE ADS