Avanço no milho, lentidão na soja e algodão; veja como está a comercialização das commodities

De acordo com o Instituto, apenas o milho tem apresentado bons desempenhos na comercialização

O Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea) divulgou os novos dados referentes à comercialização das commodities do Estado. De acordo com o Instituto, apenas o milho tem apresentado bons desempenhos na comercialização, uma vez que há lentidão na venda da soja e do algodão.

De acordo com o boletim, em julho as vendas do milho no mercado disponível avançaram 6,1% alcançando 83,2% da safra 18/19. No mesmo período as negociações da soja avançaram apenas 3%. No entanto, 87% da produção da oleaginosa já foi negociada. O algodão teve resultado ainda mais tímido, pois a comercialização da safra 18/19 avançou apenas 1,7%, alcançando 79,4% da produção.

Com a constante queda na bolsa de Nova York, as negociações da pluma mato-grossense sofreram uma desvalorização, sendo cotada a um preço médio de R$ 73,6 a arroba.

Já a soja apresentou queda de 0,6% em julho, ficando em R$ 65,1 a saca. Quanto ao milho, parte dos negócios foram destinados ao mercado interno com preço médio de R$ 22,4 a saca.

Safra futura

Para a safra 19/20 da soja – cuja semeadura começa no próximo mês – o preço médio da saca ficou em R$ 64,7 em julho, valor que representa queda de 0,6% ante ao mês anterior.

Cenário justificado pelos momentos de incerteza no cenário político interno, e pela insegurança decorrente do conflito entre Estados Unidos e China. Além disso, a baixa nos prêmios para os contratos futuros durante julho ocasionou o recuo nas cotações. Contudo, as expectativas são de melhoras, já que houve recuperação dos preços no início do mês.

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

As vendas do milho alcançaram 32,3% da produção, após um avanço mensal de 5,7%. No período, “os produtores aproveitaram o momento para realizar o travamento de custos e garantir a comercialização antecipada do produto”, apesar da queda do dólar e das cotações na Bolsa de Chicago, o que refletiu em um preço médio comercializado de R$ 22,9 por saca, aponta o Imea.

Semelhante ao milho, o algodão também enfrentou desvalorização, mas na bolsa de Nova York somado ainda a queda do preço da pluma no Estado. Essa situação foi influenciada pela intensificação da guerra comercial entre as principais potências globais, China e Estados Unidos, aliada ao aumento da estimativa de estoque mundial, diz o Instituto.

O Imea ainda diz que a safra está sendo colhida, os produtores do Estado têm priorizado as entregas dos lotes já vendidos, “na esperança de melhores preços nos próximos meses. Assim, é importante que o cotonicultor fique atento ao mercado e suas variações, visto que a moeda norte-americana nos últimos dias se valorizou em relação ao real”.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorMinistério da Justiça aponta redução do número de homicídios
Próximo artigoExportações de carne cresce 9,5% e MT tem faturamento 7,5% maior em julho

O LIVRE ADS