Ao repudiar segurança à Selma, deputado diz já ter sido ameaçado por Taques

O deputado estadual Zeca Viana repudiou a decisão do governador Pedro Taques de garantir segurança do Estado para a juíza aposentada e pré-candidata ao Senado, Selma Arruda

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

O deputado estadual Zeca Viana (PDT) fez uso da tribuna na sessão legislativa desta terça-feira (13) para repudiar a decisão do governador Pedro Taques (PSDB) de garantir segurança do Estado para a juíza aposentada e pré-candidata ao Senado, Selma Arruda (PLS), que perdeu o benefício oferecido pelo Poder Judiciário. Na oportunidade, o parlamentar ainda afirmou já ter sido ameaçado por Taques, que classificou como “chefe de quadrilha”.

“O que ela fez pelo Estado é louvável, político corrupto tem que ir para cadeia, mas não podemos elogiar coisa errada. O Governo não tem prerrogativa de fazer isso, o Tribunal de Justiça já detectou que ela não tem necessidade de escolta e agora o Governo faz isso. Onde o Governo está com a cabeça? Isso está me cheirando a um conluio político para que ela fique junto com esse governador irresponsável. Ele tem que atender o Estado, um juiz aposentado ganha muito bem, se quiser andar com segurança que pague, mas não o Estado, principalmente pelo fato de ela estar se pondo como pré-candidata. Tomara que a Justiça corrija isso”, disparou.

Viana ainda ressaltou que deputado também tem direito à segurança, mas que não usufruem do benefício pois sabem da necessidade do Estado. “A população está desamparada, o pobrezinho lá na rua não tem segurança. Eu já fui ameaçado por esse quadrilheiro, esse chefe de quadrilha, a quadrilha do Pedro Taques está a solta, mas eu não precisei de segurança, porque não tenho medo de bandido calça frouxa”.

O líder do Governo na Assembleia Legislativa, Wilson Santos (PSDB), rebateu as declarações do pedetista, ressaltou os feitos do Executivo estadual na área de segurança pública, como a convocação de quase 4 mil policiais e a redução do número de homicídios de 1.350 em 2014 para pouco mais de 800 neste ano, mas, principalmente, defendeu com afinco o trabalho desempenhado por Selma no judiciário mato-grossense.

“Selma não é exemplo só em Mato Grosso, é exemplo nacional. Ela colocou o ex-governador Silval Barbosa na cadeia. Mato Grosso teve mais de 110 governadores e este foi o primeiro que foi para cadeia e isso se deve ao trabalho obcecado, determinado e focado dessa grande magistrada. Ela precisa de segurança porque continua recebendo ameaças. Enfrentou tubarões, barões, gigantes do crime e da corrupção do Estado. Se Silval e outros comparsas foram colocados na jaula, foi porque Selma teve coragem, não se intimidou diante dos poderosos que saquearam os cofres de Mato Grosso”, afirmou.

Wilson Santos destacou ainda que, ao ceder segurança do Estado à juíza aposentada, o governador está garantindo um Direito Constitucional. “Não vamos deixar essa mulher abandonada, sozinha, correndo risco de vir a sofrer um atentado. Sabemos com quem ela mexeu, quem ela contrariou, ela precisa e terá resguardada sua segurança individual e familiar. Ela pode ser assassinada em qualquer esquina desse Estado”.

A segurança

Na última terça-feira (12) a juíza aposentada perdeu, por decisão da comissão de segurança do Tribunal de Justiça, a escolta oferecida pelo Poder Judiciário. Frente a isso, o governador Pedro Taques resolveu alterar a estrutura organizacional da Casa Militar, em decreto publicado no Diário Oficial que circula nesta quarta-feira, a fim de garantiu a segurança de Selma, conforme já havia prometido.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

1 COMENTÁRIO

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorRecém-nascida com espinha bífida passará por nova cirurgia nesta quarta
Próximo artigoCaminho inverso

O LIVRE ADS