A pedido de Mauro, Taques envia novo orçamento de 2019 com rombo de R$ 1,7 bilhão

Projeto anterior estava equacionado, mas próximo governador pediu mudanças

(Foto: Suellen Pessetto/ O Livre)

O governador Pedro Taques (PSDB) enviou, na noite de quarta-feira (26), o novo projeto da Lei Orçamentária Anual (LOA) de 2019, que foi refeita a pedido do próximo governador Mauro Mendes (DEM). Ao contrário das LOAs passadas, que sempre vinham equacionadas, o novo projeto traz mais despesas do que receitas, e vem com um déficit de R$ 1,7 bilhão.

A receita total líquida é estimada em R$ 19,2 bilhões, enquanto a previsão de despesas alcança o montante de R$ 20,9 bilhões. O projeto anterior previa uma receita de R$ 19,7 bilhões, ou seja, R$ 494 milhões a mais. O novo projeto não tem a contribuição adicional do Fundo de Transporte e Habitação (Fethab) 2.

Em novembro, o LIVREhavia divulgado que a LOA poderia ser negativa.  À época, a previsão era de um rombo de R$ 1,2 bilhão. Em dezembro, Mauro Mendes confirmou que o projeto teria previsão de déficit de R$ 1,5 bilhão nas contas públicas.

As novas despesas foram incluídas “com objetivo de registrar que existem despesas importantes que ficaram sem cobertura orçamentária e que serão empenhadas dependendo do desempenho das receitas ou redução das despesas obrigatórias previstas”, conforme justificou Taques na mensagem.

Entre as mudanças no orçamento 2019 estão a retirada do Fethab 2, no valor de R$ 456 milhões, da inclusão de receitas do Fundo de Estabilização Fiscal (FEEF), no valor de R$ 75 milhões, da inclusão de emendas parlamentares da bancada federal, no valor de R$ 169 milhões, da redução das receitas previdenciárias em R$ 121 milhões e da redução das receitas de depósitos judiciais em R$ 173 milhões.

Além disso, a pedido de Mauro Mendes, a previsão de gasto com pessoal cresceu em R$ 790 milhões, o custeio em R$ 235 milhões, e a reserva de contingência em R$ 458 milhões.

As despesas do Poder Executivo foram fixadas em R$ 17,9 bilhões, além de R$ 1,4 bilhão para o Judiciário, R$ 896 milhões para o Legislativo, R$ 457 milhões para o Ministério Público do Estado (MPE) e R$ 138 milhões para a Defensoria Pública.

Na mensagem, Taques justificou a crise financeira no governo com a herança recebida do governo de Silval Barbosa. “Muitos mato-grossenses acreditam que a crise fiscal pela qual o Estado passa é culpa da incompetência do governo atual; mas na verdade o desequilíbrio fiscal é estrutural e recorrente há mais de 10 anos. Apesar de todos os esforços para equilibrar as contas públicas, fomos muitas vezes mal compreendidos e interpretados”, afirmou.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorApós ser abusada pelo padrasto, criança foge de casa e passa uma semana na rua
Próximo artigoPreparativos para a posse movimentam o Congresso