42% dos brasileiros estão com menos dinheiro no bolso

Apesar disso, só 25% diz estar endividado e explicação para isso pode ser a economia quase que forçado do isolamento social

(Foto: Freepik)

No ano mais atípico dos últimos tempos, negócios promissores viram seus clientes sumirem, enquanto outros atingiram picos de demanda. E quando se fala em dinheiro no bolso, a situação é semelhante.

Embora 42% dos brasileiros digam que hoje têm menos dinheiro do que em outubro do ano passado, apenas 25% se declararam endividados.

Uma possível explicação? O isolamento social fez as pessoas economizarem.

  • 90% gastaram menos com cinema, teatro e show
  • 68% gastaram menos com bares e restaurantes
  • 66% gastaram menos com academia
  • 58% gastaram menos com gasolina
  • 49% gastaram menos com roupas e assessórios

Na lista dos gastos que aumentaram estão apenas os com material de construção (40% disseram que gastaram mais) e itens de decoração para o lar (27%).

LEIA TAMBÉM

E entre os 25% dos brasileiros que disse possuir dívidas, 56% preferiu não procurar um empréstimo para pagá-las. Dos que fizeram isso, 14% buscaram amigos ou familiares e não os bancos.

Quando se fala em 2021, o cenário é um misto de incerteza com esperança. 35% dos brasileiros dizem não fazer ideia de como estará sua situação financeira, mas 31% acredita que tudo estará melhor, com mais oportunidades.

O levantamento foi feito pela Hibou, empresa de pesquisa e monitoramento de mercado e consumo. A ideia era saber como anda a situação financeira das pessoas e seus comportamentos de compras.

Foram ouvidas 3,6 mil pessoas, de todo país, das classe sociais A, B e C, ao longo de setembro.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorVolta ao normal? Fim do isolamento social pode causar “síndrome da cabana”
Próximo artigoMais pessoas doentes, menos morte: infectologista explica o “futuro” da covid-19