Umidade do ar chega a 12% em Cuiabá e leva instituto a emitir alerta vermelho

O INMET fez uma lista de recomendações para a população durante esse período

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

Cuiabá voltou ao estado natural que a levou a ganhar o apelido de “HellCity”. Com a previsão de temperaturas máximas entre 34°C e 39°C, durante essa semana a Capital mato-grossense estará “pegando fogo”. As altas temperaturas vieram junto à baixa umidade do ar, que chegará a 12%.

Nesta segunda-feira (10), a máxima prevista pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) é de 39°C e a mínima 22°C. Nesse momento, Cuiabá está com 34ºC.

Na terça-feira (11), a previsão é de que permaneça tudo igual a esta segunda. Enquanto na quarta-feira (12), a máxima cairá apenas um grau, chegando ao 38ºC e a mínima ficará um pouco mais alta, com 24°C.

Já na quinta-feira (13), a previsão é que fique um pouco menos quente, porém, o calor da Capital permanecerá, no momento mais quente do dia a previsão é de que chegue a 35° graus celsius, enquanto no mais fresco a temperatura deve bater 24°C.

Pelo menos até o próximo domingo (16), os cuiabanos precisarão encarar o sol, com máximas se mantendo entre 34°C e 36°C e mínimas entre 24°C e 25°C.

Umidade do ar

A baixa umidade relativa do ar, que chegará a 12%, fez com que o Instituto Nacional de Meteorologia (INMET) colocasse Mato Grosso em alerta vermelho, o mais grave dos avisos referente à umidade.

Segundo o instituto, há grande risco de incêndios florestais e à saúde, como doenças pulmonares, dores de cabeça e etc. O INMET fez uma lista de recomendações para a população durante esse período, veja:

Beba bastante líquido.
Atividades físicas são nocivas em tal tempo seco.
Evite exposição ao sol nas horas mais quentes do dia.
Use hidratante para pele e umidifique o ambiente.
Evite bebidas diuréticas (café e álcool).

Caso seja necessário, o instituto orienta que as pessoas entrem em contato com a Defesa Civil (telefone 199), ou com o Corpo de Bombeiros (telefone 193).

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCGU identifica pagamentos irregulares no Mais Médicos
Próximo artigoBolsonaro precisará de cirurgia para reconstruir trânsito intestinal