Um dia após a volta às aulas, professores de escolas públicas vão parar

Além da Educação, outras categorias aderiram à paralisação desta terça-feira

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

Quase 400 mil estudantes das 768 unidades de ensino da rede estadual iniciaram o ano letivo nesta segunda-feira (11), mas já vão enfrentar uma paralisação escolar. Isso porque, para esta terça-feira (12), está prevista uma paralisação de diversas categorias do funcionalismo público, inclusive dos professores. O ato foi confirmado pelo Sindicato dos Trabalhadores no Ensino Público de Mato Grosso (Sintep-MT).

De acordo com o representante do Sintep junto ao Fórum Sindical, Orlando Francisco, a paralisação deve durar um dia, mas a categoria já aponta para a possibilidade de uma greve unificada ainda não há previsão para o movimento. “No caso da educação, os professores entraram em sala hoje, conversando com os alunos sobre a situação da paralisação e depois de uma greve”, comentou.

Nesta terça-feira, para chamar a atenção da população àquilo que chamam de “pacotão da maldade” – referindo-se às medidas fiscais propostas pelo Governo e aprovadas pela Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT) -, as categorias paralisadas programaram um ato de manifestação.

Com início às 8h e concentração em frente ao Tribunal Regional do Trabalho (TRT), no Centro Político Administrativo (CPA), os servidores farão a distribuição de materiais impressos, explicando sobre as recentes “perdas” sofridas no funcionalismo público.

Conforme a programação, os manifestantes deverão fazer uma caminhada pelo Centro Político, rumando ao Palácio Paiaguás, sede do Governo do Estado, e depois seguir para a ALMT, onde ocorrerá a primeira sessão ordinária dos novos deputados.

Além do Sintep, também já aprovaram o estado de assembleia permanente a Associação dos Docentes da Unemat (Adunemat), e os Sindicatos dos Servidores Públicos da Saúde (Sisma) e dos Profissionais da Área Instrumental do Governo (Sinpaig). Outras categorias ainda realizam assembleias para decidir sobre a possível greve unificada.

Reivindicações

Desde o início de janeiro, quando o governo anunciou uma série de medidas administrativas que trariam impacto aos servidores públicos, o Fórum Sindical promoveu intensos debates com o Executivo. Isso porque, entre as medidas aprovadas, estão a suspensão do pagamento da Revisão Geral Anual (RGA), e a suspensão da progressão de carreira por tempo determinado.

Com a paralisação e o estado de greve anunciado, os servidores esperam que o Governo do Estado flexibilize o diálogo e atenda às reivindicações dos funcionários. Entre elas estão o pagamento da RGA, o não parcelamento do salário e do 13º, criação de um calendário de pagamento de salários sem atraso e o não aumento da contribuição previdenciária, que subiria de 11% para 14%.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCom genética de ponta, Água Preta Agropecuária oferta 3 mil animais em Leilão
Próximo artigoBrasil vai instalar centro de ajuda para venezuelanos em Roraima