Última Blockbuster do mundo não deve fechar nunca

Sobrevivente está em Bend, no estado de Oregon, nos Estados Unidos

(Foto: Reprodução/O Livre)

A monumental rede de videolocadoras Blockbuster já viu dias melhores. Há 15 anos, pelo menos, ninguém imaginaria que poderia assistir a diversas obras de entretenimento quando e onde quisesse em questão de apenas um clique.

Os serviços de streaming como a Netflix – que, por sinal, também era uma locadora que enviava os filmes alugados por correio -, simplesmente destronaram a Blockbuster como o principal centro de obtenção de entretenimento para o lar.

Hoje, apenas duas das milhares de lojas Blockbuster ainda existem no mundo e, muito em breve, haverá apenas uma. A sobrevivente será a loja em Bend, no estado de Oregon, nos Estados Unidos. A loja fica próxima de uma rodovia solitária.

Tendo conhecimento do modelo de negócios obsoleto, a loja ainda será funcional e praticamente ideal para pequena comunidade de Bend, que sofre com lentidão de internet, tornando o streaming praticamente inviável.

A loja foi inaugurada em 2000 e possui cerca de 4 mil contas ativas e registra algumas novas a cada dia. Alguns dos novos clientes são turistas que viajaram por várias horas para parar na loja como se fosse um monumento histórico.

Como a locadora adota uma política de locação de ao menos sete dias, ainda há muito movimento na loja, pois permite que a clientela viaje de volta para a cidade e se programe para retornar à locadora.

“É como o velho vinil e como se todo mundo quisesse ter os toca-discos novamente”, disse a gerente da última Blockbuster, Sandy Harding. “Chegamos em um momento em que algo fora de moda pode retornar. Definitivamente, há interesse em manter viva essa maneira quase extinta de assistir filmes”.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anterior“Mata Grossa”: mural grafitado anuncia documentário sobre mulheres de MT
Próximo artigoDa irreverência à depressão: ataques virtuais e políticos levaram D’Lucca à UTI