Tem filhos? Especialistas indicam que também é bom ter um animal de estimação

Benefícios incluem senso de responsabilidade, autoestima, respeito ao próximo e habilidades sociais, entre outros

(Foto: Pixabay)

A experiência dos médicos-veterinários que atendem em clínicas, cada vez mais reforçada por pesquisas científicas, mostra que o contato de crianças com animais de estimação contribui para que elas tenham uma vida mais saudável e plena.

Para Alexandre Merlo, Gerente Técnico e de Pesquisa Aplicada para Animais de Companhia da Zoetis, isso parece ser ainda mais importante durante o período atual de pandemia, que oferece poucas opções para entreter os pequenos.

“Crianças com bichos de estimação aprendem desde muito cedo a cuidar deles – dar comida, água, recolher o cocô – o que contribui para o senso de responsabilidade. E os animais interagem com os seus tutores de uma maneira sincera e constante, contribuindo para amenizar a ansiedade e cultivar a autoestima”, comenta o profissional.

Mas a médica-veterinária comportamentalista da clínica Psicovet, Daniela Ramos, destaca que os benefícios que as crianças possam ter pela convivência com esses amigos de quatro patas dependem da orientação e monitoramento dos adultos, pois elas não são os principais cuidadores.

“Os pais precisam não apenas gostar e querer um cão ou gato na família, mas também se planejar para isso de forma a apoiar nos cuidados necessários”, diz.

Pontuando alguns dos benefícios já observados em pesquisas internacionais, ela destaca que o senso de responsabilidade e rotina se desenvolve à medida que a criança vai crescendo e se envolvendo mais no trato com os mascotes, alimentando, escovando, brincando e levando para passear.

(Com Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorNatal: vendas pela internet devem crescer 64% neste ano
Próximo artigoBusca por teste para identificar transtorno mental cresceu 750% na pandemia