Sonho do carro próprio: aumento de 14,1% nas vendas do primeiro trimestre comparado com o mesmo período do ano passado

Se bem que o sonho do carro próprio é compartilhado pela maioria dos brasileiros, cada um é diferente, tanto pelas suas condições financeiras como pela forma de consumo. Mesmo assim, cada dia há mais opções para alcançar esse sonho no país. Tanto pelos créditos oferecidos pelas instituições financeiras para comprar o tão desejado carro, como também pelas novas alternativas que o mercado oferece, como a locação.

Locação de veículos

Para aqueles que gostam de trocar de veículo seguido, mas não gostam de ter muitos boletos para pagar nem querem se preocupar pela contratação de um seguro de carro que cubra roubos e outros sinistros, a alternativa é alugar um carro.

Alugando o veículo, por um período determinado que pode ser de meses ou até alguns anos, o cliente não precisa se preocupar com as despesas que o proprietário deve arcar (emplacamento, licenciamento, impostos como o IPVA, seguro obrigatório DPVAT e outro seguro mais abrangente, revisão, manutenção). O motorista só deve se preocupar por encher o tanque do veículo e por fazer o pagamento da parcela do aluguel. O resto das despesas ficam por conta da locadora, isto é, os custos destes serviços já ficam incluídos no valor do aluguel.

Ao finalizar esse período, o carro é devolvido, sem que o motorista tenha que se preocupar com a desvalorização do automóvel. Se for o caso, ele pode alugar outro modelo que se adapte melhor a sua nova situação e as suas necessidades ou voltar a alugar o mesmo veículo.

Se bem que este modelo de negócio ainda não é muito popular no país, hoje em dia está sendo tendência e é bastante difundido nos Estados Unidos e na Europa. Aqui no Brasil, é liderado pelas locadoras, mas algumas montadoras como a Audi, a Fiat, a Jeep, a Renault, e a Volkswagen estão apostando neste novo serviço que se espera, se estabilize em um curto período de tempo.

Compra de veículos

Porém ainda resta um longo caminho para tornar as operações do negócio de locação fáceis e atraentes para os clientes. Então, os brasileiros continuam comprando seu veículo e assumindo todas suas responsabilidades. No entanto, nos dias de hoje, o grande problema já não está nas opções de financiamento e na negociação com o vendedor, mas sim com as próprias montadoras.

As empresas, desde o começo da pandemia, estão enfrentando vários problemas para poder manter a produção pela falta de insumos e para recuperar o tempo em que paralisaram suas linhas de montagem. Isso faz com que a entrega do veículo demore até 5 meses em alguns casos. Essa menor oferta, isto é, disponibilidade de veículos no mercado, gera uma constante alteração nos preços dos veículos.

Financiamento de veículos

Apesar dos preços mais altos dos veículos e de muitos indicar que não é o melhor momento para comprar ou trocar o carro, houve muitas facilidades de financiamento que permitiram que em março sejam comercializadas 1.237.030 unidades, fazendo com que as estatísticas mostraram um aumento de 14,1% nas vendas do primeiro trimestre comparado com o mesmo período do ano passado.

Muitas instituições financeiras baixaram suas taxas para a aquisição de veículos. Segundo a Fenabrave, as taxas caíram de 1% ao mês para 0,70% ao mês. Nos dados do Banco Central, a média do Custo Efetivo Total das operações praticadas até 30 de março mostra a taxa mínima em 0,85% ao mês e a máxima em 3,28%. Taxas que são muito atraentes para quem quer alcançar o sonho do carro próprio.

O cenário atual é muito incerto, o que faz necessário o acompanhamento do mercado de veículos para saber se é conveniente comprar ou não um veículo, assim como analisar as opções de financiamento e as alternativas para contratar um bom seguro e assim não só conquistar o sonho do carro próprio como também preservar o patrimônio adquirido.

 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorIndígenas lançam site para vender joias e artesanato feitos em aldeias de MT
Próximo artigoPL dos aluguéis sofre alteração e CRECI/MT posiciona contra