Rede de farmácias é condenada a pagar R$ 15 mil por acusar mulher negra de furto

Vítima estava de saída do trabalho quando foi surpreendida pela PM com falsa acusação de crime e submetida a constrangimento

(Foto: Joca Duarte/Creative Commons-Arq. ABr)

O juiz da 3ª Vara Cível de Cuiabá, Jorge Alexandre Martins Ferreira, condenou no dia 12 de dezembro a rede de farmácias Drogasil a pagar R$ 15 mil a título de indenização por dano moral a uma mulher negra acusada erroneamente do crime de furto, o que configurou ainda em discriminação racial. Ainda cabe recurso da decisão.

Consta no processo que no dia 5 de fevereiro de 2016, aproximadamente às 20h40, S.C.D.S.D estava saindo de seu local de trabalho em Cuiabá, quando foi abordada e detida pela Polícia Militar diante da acusação de que teria furtado produtos na farmácia Drogasil, localizada na Avenida do CPA.

Após ser detida, foi encaminhada pela PM até a unidade da Drogasil para que funcionários fizessem o reconhecimento facial. O gerente e o vendedor da farmácia atestaram que S.C.D.S.D havia sido a autora do furto. O gerente ainda revistou a bolsa da autora alegando que ali estava produtos furtados.

Acuada, S.C.D.S.D insistiu aos policiais militares que fossem até o seu local de trabalho, o Hotel Slaviero, para verificar nas câmeras de segurança e com os funcionários do local que ela estava trabalhando no momento do furto.

Porém, a mulher foi obrigada a permanecer dentro da viatura enquanto dois policiais militares foram até o hotel para levar um funcionário até a sede da Drogasil e informar o fato ocorrido.

Diante disso, a mulher argumenta que foi submetida a enorme constrangimento, pois todo o episódio foi presenciado por populares e a todo momento foi obrigada a permanecer dentro da viatura, só sendo liberada após o esclarecimento dos funcionários do hotel.

Na defesa, a Drogasil informou que não poderia figurar como ré, mas o governo do Estado, pois toda a ação foi feita pelos Policiais Militares. O pedido foi rejeitado pelo magistrado.

A decisão judicial concorda que a mulher erroneamente acusada de furto enfrentou constrangimento e que a situação vexatória se deu pelo preconceito e discriminação por tratar-se de mulher de pele negra e de baixa renda.

O juiz Jorge Alexandre Martins Ferreira cita na sentença que cabe ao poder Judiciário reprimir condutas racistas.

“Não nos cabe mais, em pleno 2020, negar a existência e ocorrência de situações de discriminação racial, mormente quando alegadas pela própria vítima. Pelo contrário, cabe aos órgãos públicos e ao Poder Judiciário, como garantidor de direitos individuais, coletivos e sociais, o papel de dar respostas enfáticas e pedagógicas à sociedade”, afirma.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorEm dois anos, PM apreende mais de 8 toneladas de drogas em todo Estado
Próximo artigoMega da Virada pode pagar prêmio estimado em R$ 300 milhões