Radar sem sensor: Cuiabá troca equipamentos de fiscalização e você precisa ficar atento

Equipamentos estão sendo trocados para atender nova norma do Contran e devem passar a funcionar em 60 dias

(Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

Os radares que flagram infrações de trânsito, a exemplo da velocidade excessiva, estão sendo substituídos em Cuiabá. A medida, segundo a Secretaria Municipal de Mobilidade Urbana, atende a nova resolução do Contran, órgão que regulamenta o Código Nacional de Trânsito.

Porém, a novidade gerou confusão e desconfiança dos motoristas. Em um vídeo que circulou no WhatsApp (veja abaixo), um condutor chega a dar um conselho depois de questionar a ausência de sensores no chão durante a instalação de um dos equipamentos na MT-231, saída para Chapada dos Guimarães.

“Ele [o instalador] me disse que esses não têm medidor no chão. Ele vai calcular o quanto você está correndo até 500 metros, onde a câmera pega. Estou falando para vocês tomar um pouco de cuidado, a câmera está apontada até o trevo. Então, se você passar por ela a 60 km e depois acelerar, pode saber que vai chegar a multa para você”, diz.

¨Não intrusivos”

De acordo com a Semob, entretanto, os novos radares não funcionam dessa forma. Chamados de “não intrusivos”, eles não possuem os sensores na via e as câmeras não se movimentam ou focam o perímetro de 50 ou 100 metros.

“A câmera fica focada num certo ponto, assim como era anteriormente. A questão é que antes tinha o laço e agora a câmera consegue fazer sem”, explica o assessor técnico da Semob Michel Diniz, alertando em seguida que se trabalha em cima da velocidade regulamentada da via.

“Se é 60 km/h, é em todo o trecho da via e não só no ponto de fiscalização”, finaliza.

Por meio de assessoria, a prefeitura informou que os novos equipamentos ainda não entraram em funcionamento. A previsão é de que eles sejam ligados em até 60 dias.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

2 COMENTÁRIOS

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorTemos vagas!
Próximo artigoMourão rebate declarações de Macron sobre o agronegócio do Brasil