Pfizer: Brasil foi um dos primeiros países a ter registro permanente de vacina

De acordo com o executivo, o Brasil não gerou entraves para a compra do imunizante desenvolvido pelo laboratório da Pfizer

(Foto: reprodução TV Senado)

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid ouviu, nesta quinta-feira (13), o ex-CEO da Pfizer na América Latina, Carlos Murillo. No depoimento, o responsável pela empresa deu detalhes sobre as negociações entre a empresa e o governo federal.

O representante da empresa começou a falar pouco antes das 10h30, com um breve relato por parte dele sobre a atuação da empresa no combate à pandemia. O depoimento foi longo e só terminou às 16h.

Questionado por Renan Calheiros sobre uma possível demora nas negociações, o responsável pela empresa afirmou que não houve entraves por parte do governo brasileiro.

Ainda de acordo com o executivo, o Brasil teria sido um dos primeiros países a ter o registro permanente do imunizante.

“A Anvisa emitiu o registro permanente da vacina da Pfizer em 22 de fevereiro de 2021. Foi um dos primeiros países do mundo a ter o registro permanente (da vacina), não tivemos dificuldades com a Anvisa”, disse o executivo.

Veja o video 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorEmanuel Pinheiro tem 24 horas para apresentar plano de vacinação de presos
Próximo artigoGarantia de emprego das pessoas com deficiência durante a pandemia de COVID-19