Partidos são os maiores financiadores dos candidatos a prefeito de Cuiabá

Gisela Simona, Emanuel Pinheiro e Gilberto Lopes Filho detém a maior parte das despesas de campanha bancada por dinheiro público

(Foto: Reprodução/O Livre)

Os partidos políticos são os principais responsáveis pelo financiamento das campanhas dos candidatos a prefeito de Cuiabá.

A legislação proíbe desde 2016 a contribuição de empresas privadas a candidatos a cargos eletivos. Por isso, em 2017 o Congresso Nacional aprovou o Fundo Especial de Financiamento de Campanha, que ficou popularmente conhecido como “Fundão”.

O cálculo de distribuição do Fundo Especial de Financiamento de Campanha (FEFC) das Eleições 2020 considera o número de representantes eleitos para a Câmara dos Deputados e para o Senado na última eleição, bem como o número de senadores filiados ao partido que, na data do pleito, estavam nos primeiros quatro anos de mandato.

Até o momento, a candidata Gisela Simona (PROS) é a mais favorecida com dinheiro dos partidos na disputa pela Prefeitura de Cuiabá.

Dos R$ 1,294 milhões arrecadados, 88,8% do montante vieram de agremiações. O PROS doou R$ 1 milhão e a direção nacional do PDT a quantia de R$ 150 mil.

Prefeito de Cuiabá e candidato à reeleição, Emanuel Pinheiro (MDB) tem 85,91% da campanha financiada pelos partidos. Dos R$ 734 mil arrecadados, a quantia de R$ 620 foi aplicada pelo diretório nacional do MDB e R$ 10 mil pela direção estadual do PDT.

O candidato do PSOL, Gilberto Lopes Filho, tem 83,76% de sua campanha financiada pelo próprio partido. Foi recebida a quantia de R$ 46 mil de um total de R$ 55 mil arrecadado.

Candidato pelo PT, o ex-juiz Julier Sebastião da Silva recebeu R$ 387 mil do partido, única quantia declarada como arrecadação até o momento.

Na busca pelo terceiro mandato, o candidato Roberto França (Patriota) recebeu R$ 200 mil da direção nacional do DEM, partido que integra seu arco de alianças, o que representa 69,74% do total arrecadado que é de R$ 286 mil.

Um dos menos favorecidos pelos partidos políticos é o vereador e candidato a prefeito Abílio Brunini, que recebeu R$ 80 mil do próprio partido, o Podemos, o que representa 22,69% do total arrecadado de R$ 352 mil.

O candidato Aécio Rodrigues também figura como minoritário, pois recebeu apenas R$ 30 mil do próprio partido, o PSL.

O candidato do partido NOVO, Paulo Henrique Grando, é o único que não recebeu dinheiro do fundo partidário, seguindo a diretriz nacional do NOVO que é contra a utilização de recursos públicos para a campanha eleitoral.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorMercado de trabalho cresce em setembro com mais de 5 mil vagas
Próximo artigoApoio do PP a Silval Barbosa custou R$ 7 milhões, diz Riva