Paraisópolis e a demonização da polícia

Há décadas nossos artistas e jornalistas produzem diariamente uma cultura de idealização do crime

(Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

A Corregedoria da Polícia Militar de São Paulo encerrou o inquérito que apurava a responsabilidade de policiais militares em uma ocorrência no baile funk de Paraisópolis, que terminou com nove mortos por pisoteamento, no último mês de dezembro.

Para a corporação, os agentes atuaram em legítima defesa e de forma lícita, não devendo ser responsabilizados judicialmente pelas mortes.

Entre as causas do ódio nacional à polícia há uma que todo mundo conhece, mas que jamais é mencionada, porque se tornou tabu: há décadas nossos artistas e jornalistas produzem diariamente uma cultura de idealização do crime, do vício e da malandragem, demonizando as forças da lei, num cenário maniqueísta entre o bem contra o mal.

A palavra de ordem é uma só, repetida em coro de geração em geração: bandidos são essencialmente bons ou pelo menos neutros; a polícia e as classes sociais mais abastadas a que ela serve são essencialmente más.

Pessoalmente, desconheço um único bom livro brasileiro no qual a polícia tenha razão, no qual criminosos sejam apresentados como homens piores do que os que levantam de madrugada para ganhar o pão de cada dia e buscam agir socialmente como bons cumpridores dos seus deveres civis.

Classe dos inocentes e classe dos culpados

No Brasil, o crime é considerado uma revolta popular fundamentalmente justa, desde que esteja associado ao divisor de águas marxista: a classe. Um homem é menos culpado pelos seus próprios atos do que pelos da classe a que pertence.

Quando um criminoso assassina sua vítima, após roubar seus bens, deve ser tratado com clemência ou ter diminuída sua culpa, já que pertence à “classe dos inocentes”, oprimidos pela “maléfica sociedade”.

Quando um policial, buscando cumprir a lei, é atacado e precisa agir em legítima defesa, ocasionando tumulto que leva à morte de nove pessoas, é imediatamente culpado, devendo ser punido com o máximo rigor, já que pertence à classe dos culpados.

Fomento ao banditismo

É impossível que a disseminação diária desse falso não crie uma atmosfera propícia a fomentar o banditismo e o ódio à polícia.

Isso sem contar o desarmamento da população civil e, em seguida, da própria polícia, sob os pretextos mais imotivados e estapafúrdios, enquanto os criminosos estão armados até os dentes.

Em 1933, o Comitê Central do Partido Comunista Brasileiro emitiu uma instrução determinando que suas lideranças assumissem o comando de associações criminosas, imprimindo o caráter de luta de classes ao conflito com a lei.

Daí o coro uniforme em favor do criminoso tornar-se cobrador de uma dívida social através dos assassinatos, roubos, estupros, e tutti quanti, enquanto a polícia, ao agir, vê-se obrigada a defender-se de uma enxurrada de acusações, processos, condenações.

Ou seja, todo o poder aos ladrões!

Nas notícias sobre a “tragédia no baile funk em Paraisópolis” era visível a intenção da mídia em rapidamente associar as mortes dos jovens à “intervenção truculenta” feita pelas autoridades de segurança pública.

Isso sem qualquer moderação e análise acurada dos fatos. Morreu alguém na favela, é culpa da polícia, da sociedade, da classe média. Simples assim.

Guerra revolucionária

Na época, sabendo do modus operandi, escrevi dizendo ser preciso conhecer todos os fatos para não cairmos no açodado engodo narrativo midiático, levantando diversos pontos controversos, que certamente embasaram o parecer de arquivamento da Corregedoria da Polícia Militar.

Para mim, é surpreendente que a polícia, mesmo agredida a pedradas e perseguida todos os dias, ainda colabore com a lei e cumpra suas ordens, obstaculizando o caminho das ambições revolucionárias ao combater o “banditismo social” que assola esse país esquecido à margem da história.

O Brasil está numa guerra revolucionária e a mídia praticamente inteira se tornou um instrumento auxiliar do movimento, encarregando-se de desinformar e anestesiar a população para que não perceba o que acontece, ao mesmo tempo em que instiga o ódio contra todos que possam constituir obstáculos à consecução dos seus objetivos, dentre eles a polícia.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorMudança de marca
Próximo artigoCadeira de Ganha Tempo quebra e jovem leva o caso para a polícia