Pantaneiros e Defesa Civil começam a traçar plano de prevenção de incêndios

Objetivo do trabalho é ter condições de combater o fogo e impedir que ele se propague este ano como aconteceu no ano passado

A formação de novos brigadistas, o acompanhamento do volume de chuvas, a compra de equipamentos, bem como a análise das ações do ano passado foram os temas da primeira reunião de formatação do plano de combate e prevenção de incêndios florestais no Pantanal Mato-grossense, realizada na sede do Sindicato Rural de Poconé (102 km de Cuiabá), na quarta-feira (13).

No encontro, estavam integrantes da Defesa Civil do Estado e do Município, do Sesc Pantanal, da prefeitura e o presidente do sindicato e integrante do grupo Guardiões do Pantanal, Raul Santos Costa Neto.

Mesmo faltando alguns meses para a estiagem, Raul explica que o planejamento se faz necessário, levando em consideração o resultado da ausência dele no ano passado, quando o bioma teve 2,3 milhões de hectares queimados, tamanho equivalente a dois estados do Rio de Janeiro.

Gado tentando fugir das chamas durante o incêndio florestal de 2020. Foto: (Divulgação/Guardiões do Pantanal)

“No ano passado, os moradores locais, sem treinamento apropriado, tiveram que enfrentar as chamas até que os governos – Federal e Estadual – se organizassem para mandar apoio. Este ano, estamos unidos para tentar fazer diferente”, afirmou.

Com relação a qualificação de equipes locais, o superintendente da Defesa Civil do Estado, coronel Marcelo Augusto Reveles Carvalho, disse que o Estado irá contribuir com a formação de brigadistas e está elaborando uma lista de equipamentos que serão comprados.

Parte dos materiais vieram por meio de uma ajuda da Organização das Nações Unidas (ONU), que doou US$ 10 mil dólares e quer participar de uma reunião, marcada inicialmente para o final de fevereiro, na qual pretende ouvir os envolvidos e analisar como pode fazer novas contribuições.

LEIAM TAMBÉM:

Em busca de dados

Na próxima reunião, que terá também a participação de representantes da esfera federal, as ações começarão a ser rascunhadas por conta da apresentação dos dados do Sistema Nacional do Meio Ambiente do Brasil (Sisnama). Raul Santos, do Guardiões do Pantanal, explica que é preciso ver o que foi feito no ano passado e como foi feito para se traçar estratégias.

Participantes da 1ª reunião para definir plano de combate aos incêndios no Pantanal. Foto: (Divulgação/Guardiões do Pantanal)

Outra questão importante é o acompanhamento dos índices pluviométricos.  Segundo o coronel Reveles, da Defesa Civil, a chuva ainda não veio com a habitual intensidade e isso preocupa. Na cidade de Poconé, por exemplo, foram perfurados dois poços e nenhum deles deu água. Muitos rios também estão nesta situação, o que pode deixar o período de estiagem mais crítico.

“Vamos construir um plano para este ano com a participação dos moradores locais, que realmente conhecem a região e podem dar contribuições valorosas”.

Quando questionado sobre investimentos em infraestrutura, o coronel disse que por enquanto está focado na formação de brigadistas e na aquisição de equipamentos para o combate. Porém, acredita que será essencial a melhoria das pistas de pouso porque os aviões são importantes no transporte de medicamentos e pessoas nos casos de urgência.

(Com informações da Assessoria )

 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCom 159 agências em Mato Grosso, Sicredi possui a maior capilaridade no Estado
Próximo artigoGoverno de MT proíbe shows e limita público em bares e restaurantes