Ônibus lotados: problema antigo a ser resolvido na pandemia?

A necessidade de distanciamento entre as pessoas colocou o transporte coletivo no topo da lista de locais mais perigosos para se estar

(Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

O fluxo de passageiros no transporte público de Cuiabá aumentou nos últimos dias, se comparado ao início da pandemia, em março. O retorno das atividades econômicas  consideradas não-essenciais fez crescer o número de trabalhadores e outros usuários do sistema coletivo.

Um crescimento que gera preocupação quando o assunto é a covid-19. Os ônibus são considerados – junto com os hospitais – os espaços com mais alto risco de transmissão do coronavírus. O ambiente fechado, com pouca ventilação e a falta de distanciamento entre as pessoas são os fatores.

Segundo a Secretaria de Mobilidade Urbana (Semob), em Cuiabá, as medidas de isolamento social reduziram em 33% o número de passageiros diários em junho. Dos 250 mil usuários de um dia normal, apenas 75 mil se mantiveram usando o transporte coletivo.

E como a orientação sempre foi para que as pessoas ficassem em casa o máximo possível, a frota chegou a ser reduzida nas primeiras semanas da pandemia. Todavia, pesquisadores afirmam que essa não é a melhor maneira de lidar com a situação.

Hoje, na Capital, 100% dos ônibus voltaram a circular por determinação da Justiça.

(Foto: Ednilson Aguiar/O Livre)

Segundo a Associação Mato-grossense dos Transportadores Urbanos (MTU), a lotação permitida nos ônibus é de 36 passageiros sentados ou 46 – contando quem estiver de pé. O número, porém, pode subir para 55 nos horários de pico.

Atualmente, a frota em Cuiabá tem cerca de 360 ônibus rodando. Isso quer dizer que, por dia, cada um deles transporta – em média – 700 passageiros. Um número que não leva em contas os finais de semana, quando o volume de usuários é reduzido.

Qual a solução?

A quantidade de veículos rodando pela Capital deveria ter aumentado com a nova licitação do transporte coletivo, que prevê a renovação da frota e um número adicional de ônibus.

O edital foi lançado em 2019 e chegou a ser suspenso por recomendação do Tribunal de Contas do Estado (TCE-MT). Após alterações, foi relançado, mas novamente suspenso, dessa vez, em função da pandemia, de acordo com a Prefeitura.

Para evitar a superlotação e proliferação do coronavírus, então, os veículos disponíveis estão fazendo mais viagens que o usual. Além disso, a orientação é “que o usuário, se possível, quando verificar um ônibus lotado, aguarde o próximo”.

Os intervalos entre uma viagem e outra é de até 10 minutos, sustenta a administração municipal.

Trabalhadores em risco

Além dos usuários, os profissionais do transporte coletivo também estão expostos ao risco de contágio. Atualmente, 22 motoristas de Cuiabá e Várzea Grande estão afastados das funções por apresentarem sintomas da covid-19. Três deles testaram positivo para doença.

LEIA TAMBÉM

Para evitar o contágio, os ônibus receberam cortinas de plástico. Os equipamentos têm o objetivo de isolar os motoristas dos passageiros, que embarcam pela porta da frente.

(Foto: Assessoria)

Lotação: um problema eterno?

Para a pesquisadora Tainá Bittencourt, da Rede de Pesquisa Solidária, o nível de lotação do transporte coletivo nas grandes cidades é um problema que não pode mais ser tolerado.

“Se a lotação de antes era ruim, quando a gente precisa tentar um distanciamento entre as pessoas um pouco maior, por causa da pandemia, isso não pode ser admitido. O espaço entre as pessoas tem que ser maior, então a frota tem que ser maior do que antes, para tentar acompanhar esse distanciamento nos ônibus”, avalia.

(Foto: Suellen Passetto / O LIVRE)

E uma possível solução foi pensada por uma empresa: um aplicativo que gerencia a frota e evita que os ônibus andem lotados.

O “Trancity” pode ser baixado gratuitamente em todas as Capitais até março de 2021. Segundo a green4T e Scipopulis, desenvolvedoras da ferramenta, ele já é usado em Porto Alegre, São Paulo e Rio de Janeiro.

Com ele as prefeituras podem cruzar os dados e fazer o uso da frota da melhor maneira para tentar evitar o contágio da covid-19.

Na Capital gaúcha, o Trancity auxilia, por exemplo, na gestão da oferta de ônibus. A ideia é assegurar que os veículos que seguem circulando não estejam superlotados, mesmo nos horários de pico.

De acordo com a Prefeitura de Cuiabá, outra empresa já faz esse o monitoramento na Capital. O serviço é pago pela AMTU e fornecido sem nenhum custo para a Semob.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorSecretário se estressa, cobra atitude da polícia e acaba acusado de injúria
Próximo artigoCaso Isabele: mãe dá detalhes sobre o último dia de vida da adolescente