O valor do lixo: empresa transforma resíduos orgânicos em adubos e fertilizantes

Empresários investiram em sustentabilidade e pretendem abocar um nicho de mercado ainda descoberto

(Foto: Ednilson Aguiar/O Livre)

Ao cozinhar, você descasca legumes e frutas e certamente trata o que não vai panela como lixo. É este conceito que a empresa Origem quer mudar, oferecendo o serviço de coleta dos materiais e transformando aquilo que geraria mais custos para o poder público em adubo, por meio do sistema de compostagem.

Um processo que envolve uma série de tecnologias e, além de reduzir o que vai para o aterro sanitário, diminui o impacto no meio ambiente e promove um novo ciclo de vida ao material.

O empreendimento, pensado e concretizado pelos jovens Yasmim Rojas Fonseca e Khayke Botelho Sorobata, foi fruto de muita pesquisa, que inclusive levaram em consideração os modelos usados por outras grandes metrópoles.

Yasmim e Khayke estudaram o mercado para aprender como ganhar dinheiro com a sustentabilidade (Foto: Ednilson Aguiar/O Livre)

Aqui, o tratamento dos materiais acontece em um sítio nas margens da MT-251, estrada de acesso a Chapada dos Guimarães, a exatos quatro quilômetros do trevo de acesso à Fundação Bradesco, em Cuiabá.

Em fevereiro deste ano, as atividades começaram, mas devido à pandemia do coronavírus elas tiveram que ter ações mais tímidas. A princípio, o trabalho está focado no lixo residencial, mas o local tem capacidade de processar também os médios geradores, como bares, lanchonetes e pequenos mercados.

Em um hectare, os empresários conseguem receber 300 toneladas de resíduos por mês, mas, por enquanto, estão atuando com 10 toneladas/mês.

Como ganhar dinheiro com o lixo?

A empresa cobra pela coleta e tratamento do lixo. Nos planos disponíveis para casas, por exemplo, o cliente pode escolher entre a assinatura de recolhimento semanal ou quinzenal. Elas custam R$ 40 e R$ 60, respectivamente.

Como compensação pelo contrato, o assinante recebe mudas de hortaliças e sacos de adubo para colocar nas plantas e, assim, reavivar a horta doméstica.

Depois de tratado, o material vira húmus, que também pode ser vendido para viveiros e empresas que atuam com jardinagem e paisagismo. Conhecido como um ótimo recurso para a nutrição da plantas, tem um bom valor de mercado, em torno de R$ 4 o quilo.

Composto, depois da atuação das minhocas, é valorizado no mercado como adubo de plantas (Foto: Ednilson Aguiar/O Livre)

Além disso, a Origem está instalando um espaço para tratamento do chorume, que é tóxico. Após o processamento, ele se transformará em fertilizante líquido.

Ampliação a caminho

A próxima etapa do projeto da empresa é atender os médios geradores de lixo, como lanchonetes, restaurantes e supermercados. Atualmente, Cuiabá conta com uma empresa que trabalha apenas como os grandes geradores, como é o caso shoppings centers e redes de supermercado.

Vale lembrar que, de acordo com a Política Nacional de Resíduos Sólidos, esses estabelecimentos são responsáveis por dar a correta destinação dos resíduos que produzem.

Como funciona o processo?

Khayke explica que, depois de recolher os resíduos, eles são levados até uma área da empresa. Primeiro, são acomodados em leiras, que recebem a devida impermeabilização para que o chorume, líquido obtido a partir da decomposição dos resíduos, não entre no solo e sim caia em uma caixa d’água, onde posteriormente será tratado.

Ele lembra que a estrutura precisa estar devidamente fundamentada para que não haja vazamentos, uma vez que o chorume é altamente tóxico e, no local onde ele cai, não há mais produção.

Chorume é captado em caixas d’água e depois encaminhados para o tratamento (Foto: Ednilson Aguiar/O Livre)

Nas leiras, há a formação de camadas entre matéria seca e resíduos, que depois de atingirem uma certa altura passam para a fase de repouso, que demora cerca de 90 dias.

Passado o período, o material já será o substrato que se vende nas lojas de produtos agrícolas, porém, a Origem agrega valor ao produto no minhocário, onde se transforma em húmus.

Esta fase acontece no galpão da empresa, em uma série de tanques, que possuem a temperatura controlada.

Depois que os animais trabalham no substrato, o conteúdo dos tanques passa pela peneira e, em seguida, é ensacado para venda ou entrega para os assinantes, como forma de compensação.

Minhocas fazem o substrato virar Húmus, substância com alto poder nutricional para plantas (Foto: Ednilson Aguiar/O Livre)

Conforme Yasmim, o próximo passo da estruturação será para tratamento do chorume por um processo chamado evapotranspiração, no qual o líquido se transformará em fertilizante. Eles usarão, na filtragem, pés de bananeiras.

Tem como fazer a compostagem em casa?

A resposta é sim. Inclusive a própria empresa ensina a fazer, porque acredita que é importante o despertar das pessoas com relação à sustentabilidade.

Veja o vídeo abaixo:

 

Como o poder público economiza?

Você sabe como é o método de pagamento da empresa que atualmente faz a gestão do aterro sanitário de Cuiabá?

De acordo com informações da prefeitura, a empresa recebe R$ 173,05 por tonelada de material coletado, que, em Cuiabá, chega a ser 600 toneladas por dia. Em um mês, o custo com o serviço chega a R$ 3,1 milhões.

Dados do Ministério do Meio Ambiente apontam que cerca de 50% dos resíduos sólidos produzidos pelas cidades são orgânicos em condição de serem tratados. Sendo assim, o tratamento deste material resultaria na redução de metade dos custos.

Isso sem contar o impacto ao meio ambiente causado pela produção de gás metano e chorume, que é danoso à saúde.

LEIAM TAMBÉM:

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorFim do toque de recolher
Próximo artigoApós receber alta, paciente quebra vidro de carro na porta do PS e dorme dentro

O LIVRE ADS