Na cabeça de quem?

Prefeitura de Cuiabá implementa rodízio inexplicável até do ponto de vista do contágio da covid-19

Não faz muito tempo, uma escala de risco para o contágio com o novo coronavírus começou a circular na internet. Se você está em uma rede social deve ter visto. (Imagem acima).

Como quase tudo que circula por essa “terra sem leis”, é difícil saber a procedência, mas o bom senso faz crer que a escala tem algum sentido.

Ela mostra diversos locais por onde as pessoas transitam e aponta que os hospitais são os com mais chance de alguém se contaminar, enquanto sua casa é o local mais seguro. Bem óbvio, não?

Mas parece que não para o Comitê de Enfrentamento ao Novo Coronavirus instalado na Prefeitura de Cuiabá, que nesta quinta-feira (2) instituiu um rodízio de veículos (o segundo lugar mais seguro para se estar).

Que a ideia é fazer mais pessoas ficarem em casa, todo mundo concorda. Mas jogar mais gente para dentro do transporte público (o lugar mais perigoso do mundo, depois dos hospitais) faz sentido na cabeça de quem?

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

2 COMENTÁRIOS

  1. Conforme o decreto 7975, que será publicado no Diário Oficial de amanhã, carros com placas final 1, 3, 5, 7 e 9 poderão trafegar pela cidade somente em dias ímpares. Já as placas com finais 0, 2, 4, 6 e 8 circularão em dias pares.
    O mesmo equivale para os cidadãos que queiram ir presencialmente em lotéricas, bancos, supermercados e distribuidoras. O final do CPF determinará os dias que as pessoas poderão frequentar os estabelecimentos.
    Ou seja, se o carro tiver placa final par e o CPF for final ímpar, terá que ir fazer compra de transporte público … quem será o gênio que pensou nisso?

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCuiabá aumenta toque de recolher e implanta rodízio de carros e pessoas
Próximo artigoIvermectina e azitromicina: remédios para covid-19 valem ouro, diz farmacêutica

O LIVRE ADS